Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Sant' Helena Coelho é bacharel em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Também é bacharel em Psicologia e bacharel em Ciências Políticas. Tem MBA em Jornalismo Digital e em Administração e Marketing. Em 1990 fundou o Jornal Correio do Sul, assim como foi um dos fundadores da Rádio 93 FM em 2010. Atua também como produtor cultural e escritor.

5 de dezembro de 2018 00:35

Rolando Christian Coelho, 05/12/2018


PSL terá que separar joio do trigo, para não ser mais uma onda / /

Presidente do PSL catarinense, Lucas Esmeraldino, tem feito questão de ressaltar que seu partido não é apenas uma onda, movida pelo efeito Bolsonaro. De acordo com ele, a sigla tem um sólido projeto para o Brasil, e, por consequência, para Santa Catarina. Percebe-se na fala de Esmeraldino a nítida preocupação em manter o PSL fora do balaio de gatos em que se transformou a política brasileira, marcada, especialmente nos últimos anos, por um escancarado toma lá, da cá.
A bem da verdade, caberá ao próprio PSL consolidar esta visão que, num primeiro momento, a maioria da população brasileira acreditou ser sincera. Do mesmo modo que cabe apenas ao velocista quebrar recordes, e ao boxeador derrubar seus adversários, caberá ao PSL provar que é diferente, e não a sociedade.
A sociedade está ai, posta como sempre, com seus milhões de defeitos, muitos deles sendo capitais para que a própria corrupção na política tenha chegado ao ponto em que chegou. Aos líderes do PSL competirá justamente quebrar estes paradigmas, mostrando que os caminhos a serem percorridos pela administração pública podem ser outros.
A grande vantagem do PSL parece consistir no fato de que, dificilmente, o poder público conseguirá chegar num buraco mais fundo do que chegou. A corrupção quebrou o Estado brasileiro. O Brasil é um país falido, tanto financeira, quanto moralmente. O PSL de Esmeraldino, de Comandante Moisés, e de Jair Bolsonaro, tem a chance de promover a refundação da política nacional. Para isto, não poderá se aliar às velhas raposas, tampouco se isolar de forma imatura, como fez Collor de Mello com seu PRN. Terá que ter maturidade para separar o joio do trigo, e trilhar pelo caminho do meio, com austeridade e, principalmente, com resultados efetivos. Até porque, falar, até papagaio fala.

Notas

Tudo pronto em Meleiro para a entrega de 40 obras e ações do prefeito Eder Matos (PSB), no próximo sábado, dia 8, em alusão ao aniversário de emancipação político-administrativa do município, que comemorará seus 57 anos de gestão própria neste ano. De acordo com o prefeito, os dois primeiros anos de seu mandato estão sendo marcados por obras estruturantes e investimentos visando a humanização de setores ligados a educação, saúde e bem estar social. “Estamos cumprindo nossa agenda de trabalho, e tranquilos quanto a continuidade dos compromissos assuntos junto a população nos próximos dois anos”, ressalta.

Vinte municípios do Sul do Estado, que possuem Samae, estão se unindo através do chamado sistema Cisam-Sul, um consórcio intermunicipal voltado à busca de soluções para as questões ligadas ao saneamento básico. A ideia é unir esforços para a montagem de uma central, equipada com modernos equipamentos, visando melhorar a gestão e, por derivação, a qualidade dos serviços prestados pelos Samaes do Sul do Estado. Prefeito de Praia Grande, Henrique Maciel (PSDB), tem sido um dos incentivadores da iniciativa, que, de acordo com ele, irá diminuir custos e maximizar a busca de soluções para problemas comuns.

Vereador araranguaense Neno Fontoura (PPS) diz que eleição para a presidência da Câmara Municipal, que acontece no próximo dia 19, já está definida na Cidade das Avenidas. De acordo com ele, o atual presidente, Daniel Viriato Afonso (PP), já conseguiu o apoio necessário para se manter no comando do legislativo. “A articulação para a criação de um grupo de oposição não avançou. Há um profundo desentendimento quanto a quem seria o nome para fazer frente ao projeto de Daniel, e isto acabou facilitando a consolidação do projeto dele, que deverá ser o vitorioso”, disse Neno.

Governador eleito, Comandante Moisés (PSL), confirmou durante coletiva, ontem à tarde, em Florianópolis, que as Agências de Desenvolvimento Regional serão mesmo extintas. Os funcionários efetivos, colocados a disposição das ADR’s, retomarão a seus postos de origem. Já os cargos comissionados serão exonerados. O desmonte desta estrutura acontecerá ao longo dos primeiros meses do ano, tomando-se o cuidado para que projetos em andamento, capitaneados por determinadas ADR’s, não sejam prejudicados. Em princípio, toda estrutura deverá estar desmontada até o final do primeiro semestre de 2019.

Charge

Mapa de Editorias