Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Sant' Helena Coelho é bacharel em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Também é bacharel em Psicologia e bacharel em Ciências Políticas. Tem MBA em Jornalismo Digital e em Administração e Marketing. Em 1990 fundou o Jornal Correio do Sul, assim como foi um dos fundadores da Rádio 93 FM em 2010. Atua também como produtor cultural e escritor.

9 de outubro de 2018 00:26

Rolando Christian Coelho, 09/10/2018


Com 18 candidatos, Extremo Sul só emplacou Zé Milton Scheffer / /

Mesmo diante de um número recorde de candidaturas a deputado estadual e federal, nossa região conseguiu eleger apenas um parlamentar. Há muito não se observava uma representatividade tão pequena, como a que nos revelou as urnas no pleito deste ano.
Único candidato eleito, o já deputado estadual José Milton Scheffer (PP), de Sombrio, a exemplo de 2014, foi o candidato à Assembleia Legislativa mais votado de seu partido. No último domingo conquistou 39.196 votos, garantindo seu terceiro mandato consecutivo.
Nascido em Turvo, mas residente da região de Criciúma, o delegado Ulisses Gabriel (PSD) obteve a segunda maior votação, dentre aqueles com ligações em nossa região. Ulisses conquistou 28.183 votos, mas não se elegeu. Também tiveram boas votações, mas não se elegeram, o ex-vice-prefeito de Araranguá, Rodrigo Turatti (PSL), que conquistou 17.521 votos, e o ex-prefeito de Balneário Arroio do Silva, Evandro Scaini (PSD), que emplacou 16.555 votos.
Também a estadual, concorreram por nossa região, oriundos de Araranguá, Sayonara de Araújo Pessoa (PT), que fez 4.244 votos, Sarah Maciel (PSDB), que conquistou 956 votos e Fernando Espíndola (PCdoB), que emplacou 821 votos. Além deles, concorreram ainda Aldo Apolinário (Pode), que fez 650 votos, e Cida Cândido (Psol), que fez 404 votos.
A sombriense Rafaela Brito Pereira (PSTU) fez 630 votos a estadual, e a arroiosilvense Sílvia Regina da Silva (PP) fez 245 votos.
De Jacinto Machado emanou a candidatura à Assembleia Legislativa de Lise Tuon (DEM), que reside em Criciúma. Ela conquistou expressivos 5.041 votos. Já a ermense Jana Acordi (Psol), que reside no Oeste do Estado, fez 938 votos.
Dentre os candidatos a deputado federal, o mais votado foi o sombriense Leodegar Tiscoski (PP), que fez 34.190 votos. O também sombriense Mariozam Pereira (Patri) fez 1.319 votos. Candidatos por Araranguá a federal, Elves Becker (PRP) fez 573 votos e Jonathan da Silva Ferraz (PTC) fez apenas 56 votos. Tina Rosso, que também é de Araranguá, mas está radicada na região de Criciúma, fez 2.843 votos a federal.

Notas

Apesar dos pesares, MDB do Sul do Estado conseguiu emplacar três, dos oito deputados estaduais eleitos no domingo pelo partido. Foram reeleitos Luiz Fernando Vampiro e Ada de Luca, e eleito o ex-prefeito de São Ludgero, Volnei Weber. Com uma eleição para lá de pesada para os candidatos tradicionais, o deputado Manoel Mota (MDB) acertou na mosca em não ter disputado a reeleição. Acabou saindo por cima, tanto pela não derrota eminente, quanto pela colaboração na eleição de Volnei Weber.

Candidato a estadual por Araranguá, Rodrigo Turatti (PSL) ficou na terceira suplência de seu partido, que, de forma surpreendente, elegeu seis deputados. A sigla esperava emplacar dois. Caso Comandante Moisés (PSL) seja eleito governador do Estado, é muito provável que Turatti assuma a Assembleia Legislativa. É que é muito comum governadores chamarem deputados eleitos para ocuparem Secretarias de Estado, abrindo vagas para os primeiros suplentes no parlamento. Caso Gelson Merisio (PSD) seja eleito governador, quem passa a ter esta primazia é o terceiro suplente Ulisses Gabriel (PSD).

Município que mais deu votos, de forma proporcional ao presidenciável Jair Bolsonaro, em nossa região, foi Morro Grande. O candidato emplacou 80,26% dos votos válidos na terra do prefeito Valdo Rocha (PSD), que trabalhou para ele. Já Praia Grande foi o município onde Fernando Haddad (PT) se saiu melhor, conquistando 25,61% dos votos válidos. Ainda assim, Bolsonaro emplacou 52,64%. Pela média, cerca de 68% dos eleitores da região votaram em Bolsonaro, 3% a mais que a média catarinense.

Revolução pelo voto no pleito de domingo, deixou duas dúzias de caciques da política catarinense sem mandato. Candidato a federal, o ex-prefeito de Florianópolis, César Souza Júnior (PSD), ficou longe de chegar ao Congresso Nacional. Deputado federal Ronaldo Benedet (MDB), candidato à reeleição do governador Eduardo Moreira (MDB), ficou na terceira suplência de sua coligação. Silvio Dreveck (PP), atual presidente da Assembleia Legislativa, amargou a primeira suplência de sua coligação. Como estes, há mais uma página de exemplos de que o povo votou convicto de que queria mudar.

Charge

Mapa de Editorias