Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Sant' Helena Coelho é bacharel em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Também é bacharel em Psicologia e bacharel em Ciências Políticas. Tem MBA em Jornalismo Digital e em Administração e Marketing. Em 1990 fundou o Jornal Correio do Sul, assim como foi um dos fundadores da Rádio 93 FM em 2010. Atua também como produtor cultural e escritor.

10 de julho de 2018 00:43

Rolando Christian Coelho, 10/07/2018

Ex-governador progressista e cúpula do MDB não estão medindo esforços para conseguir assegurar o apoio dos tucanos no Estado.


Amin e MDB apostam suas fichas em uma coligação com o PSDB / /

O chove não molha da política catarinense parece longe de acabar, ainda que este longe tenha no máximo 25 dias de prazo, por conta da data limite para o encerramento das convenções. Em princípio, a única candidatura que de fato parece irreversível ao governo catarinense é a de Mauro Mariani (MDB). Afora isto, tudo está aparentemente aberto, ainda que as interpretações dos atores políticos sejam muito convincentes.
Gelson Merisio (PSD), por exemplo, diz que não há santo que o faça desistir de seu projeto de ser governador. A bem da verdade, com uma dúzia de partidos aliados, só louco desistiria deste projeto diante de um quadro tão fragmentado como é o pintado na política catarinense.
O problema de Merisio é que Esperidião Amin (PP) também diz que é candidato ao governo, o que transforma o PP, seu virtual principal aliado, em adversário direto no primeiro turno do pleito eleitoral deste ano. Amin, por sua vez, tem duas saídas: trazer o PSD à reboque, ou convencer o PSDB de Paulo Bauer a ser seu vice. Excluídas estas duas possibilidades, os riscos a que estariam expostos os progressistas são incomensuráveis, já que PSD e PSDB poderiam se aliar ao MDB no segundo turno, deixando mais uma vez o PP na poeira, como tantas outras vezes já o fizeram.
Se para Esperidião Amin o PSDB é fundamental nesta hora, imagine para o MDB, que conseguiu o feito de não ter nenhum aliado de peso, com quem possa contar, a pouco mais de três semanas para o encerramento das convenções.
No fim das contas, e por ironia do destino, PP e MDB acabaram tendo que apostar suas fichas na expectativa de uma aliança com o PSDB, de modo a dar substancialidade à candidatura governamental que irão propor.

Notas

Fonte ligada à família Amin diz que o velho cacique progressista e o deputado federal João Paulo Kleinubing (DEM) estariam mancomunados para ampliar seus espaços políticos dentro de uma aliança com o PSD. Intenção seria a de emplacar Kleinubing como candidato a vice de Gelson Merisio (PSD), enquanto Esperidião Amin (PP) concorreria ao Senado, em dobradinha com Raimundo Colombo (PSD).

Presidente do PSDB de Araranguá, André Alves, não descarta a possibilidade de que o partido homologue a candidatura de Sarah Maciel (PSDB) à Assembleia Legislativa. Sarah tem sido estimulada a concorrer no pleito deste ano, mas tem pedido tempo para avaliar a situação. “Caso a decisão dela seja pela disputa, vamos trabalhar de forma afincada para viabilizar o projeto. O PSDB de Araranguá precisa começar seu planejamento para 2020 e isto passa necessariamente pela eleição deste ano”, comenta o presidente tucano.

Sinceramente não sei se Lula será solto ou não. Única coisa que sei, é que, se um dia o PT voltar a governar o Brasil, o desembargador Ricardo Favreto terá cadeira cativa no Supremo Tribunal Federal. E assim se amalgama a mais alta corte do judiciário nacional. Quantos Favretos já passaram por lá, ou quantos lá estão, só mesmo seus padrinhos o sabem. O fato é que não foram, e não são poucos, e de todos os lados.

Pré-candidata a deputada estadual, Lise Tuon (DEM), conseguiu apoio ao seu projeto do presidente do DEM de Tubarão, Rudy Bardini. Com o apoio já manifesto do DEM da região carbonífera, assim como do Extremo Sul, Lise deverá angariar os esforços dos Democratas de todo o Sul do Estado a sua intenção eleitoral, com vistas à Assembleia Legislativa. A torcida, agora, é para que o presidente estadual do partido, deputado federal João Paulo Kleinubing, encaixe em uma majoritária robusta.

Charge

Mapa de Editorias