Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Sant' Helena Coelho é bacharel em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Também é bacharel em Psicologia e bacharel em Ciências Políticas. Tem MBA em Jornalismo Digital e em Administração e Marketing. Em 1990 fundou o Jornal Correio do Sul, assim como foi um dos fundadores da Rádio 93 FM em 2010. Atua também como produtor cultural e escritor.

11 de setembro de 2018 00:04

Rolando Christian Coelho, 11/09/2018

Em princípio, Geraldo Alckmin, do PSDB, é quem tem mais chances de ultrapassar adversários diretos como Marina Silva e Ciro Gomes.


Começa arrancada para ver quem disputará com Bolsonaro

Saída de Lula da Silva (PT) do cenário eleitoral, e atentado contra Jair Bolsonaro, colocaram de vez o candidato do PSL na segunda etapa da eleição presidencial. Questão agora é saber quem irá com ele para o segundo turno. A disputa, em princípio, é acirrada entre Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB). Já Fernando Haddad (PT) pretende liderar o segundo pelotão, contando com o espólio eleitoral de Lula.
Se formos levar em conta o histórico do eleitorado brasileiro, tudo indica que Alckmin é quem conseguirá disputar com Bolsonaro a segunda etapa da eleição. Primeiro, porque ele está filiado a um grande partido, com capilaridade em todo o país. Segundo porque está aliado a grandes siglas, igualmente capilares, como o Progressistas de Paulo Maluf, o PTB de Roberto Jefferson, o PSD de Gilberto Kassab, o DEM de Rodrigo Maia, e por ai a fora. De todos os candidatos, Alckmin, através de seus parceiros, é o que melhor representa a média da índole do eleitor brasileiro, muito mais do que Marina, Ciro e qualquer um outro, o que o coloca, virtualmente, no segundo turno.
A de se levar em conta, também, que o MDB de Michel Temer irá descarregar seus votos em Alckmin, pois, como se sabe, o projeto de Henrique Meirelles já nasceu morto.
Alckmin só não iria para o segundo turno se o PT votasse em massa em Ciro Gomes. Mas, para isto, é preciso que parta alguma ordem de dentro do presidio.

Notas

Associação Comercial e Industrial de Sombrio, a Acis, está encaminhando ofício aos candidatos a deputado estadual e federal do Sul do Estado, os questionando sobre seus compromissos com o segmento. Ideia, por óbvio, é a de criar compromissos dos candidatos, que forem eleitos, com o setor comercial e industrial do município. A Acis, a exemplo da Aciva, Associação Empresarial de Araranguá e do Extremo Sul, já declarou que apoia o voto regional, sugerindo que os eleitores de nossa região votem em candidatos daqui. Pelo Extremo Sul, estão concorrendo 13 candidatos a estadual e cinco a federal. Computados todos os do Sul do Estado, são 25 a federal e 40 a estadual.

Secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande, esteve ontem em Sombrio para assinar convênios com hospitais da região. A vinda acabou se transformando também num ato político, acompanhada por diversas lideranças do município, o que incluiu o prefeito Zênio Cardoso (MDB) e o presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Fabiano Pinho (PSDB). Nos bastidores, a corrida sucessória estadual acabou tomando conta das conversações. Durante almoço, o Coordenador Regional do MDB, Heriberto Schmidt, que também é Secretário Executivo da ADR, disse ter certeza que Mauro Mariani, candidato de seu partido ao governo, “vencerá a eleição na região da Amesc tanto no primeiro, quanto no segundo turno”.

Marketeiros de Mauro Mariani (MDB) precisam rever seus conceitos publicitários. A impressão que dá, em sua propaganda eleitoral, é que o candidato está alheio a realidade do Estado. Mariani também não está colando sua imagem a dos candidatos a deputado estadual e federal. Em meio a tudo, a publicidade eleitoral do candidato nas mídias sociais é fraquíssima, sem contar que em boa parte do material impresso, o nome de Mariani está em marrom, cor que costuma ser utilizada apenas em publicidade para vender urnas funerárias. Para piorar, as cores mais evidentes da campanha são o verde e o vermelho. Verde de Gelson Merisio (PSD) e vermelho de Décio Lima (PT).

Principais dobradinhas proporcionais já parecem consolidadas aqui no Extremo Sul. O Progressistas tem trabalhado os nomes de José Milton Scheffer a deputado estadual, e Leodear Tiscoski a federal. O MDB vem, em sua maioria, com Luiz Fernando Vampiro a estadual, e Ronaldo Benedet a federal. O PSDB está fechado com Dóia Guglielmi a estadual e Geovânia de Sá a federal. O PSD possui duas dobradinhas: Júlio Garcia a estadual, com Ricardo Guidi a federal, e também Evandro Scaini a estadual, com João Rodrigues a federal. O PDT da região tem tentado trabalhar o nome de Rodrigo Minotto a estadual e Manoel Dias a federal, mas Paulinha Silva tem entrado com força nas bases do partido, em busca de uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Charge

Mapa de Editorias