Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Sant' Helena Coelho é bacharel em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Também é bacharel em Psicologia e bacharel em Ciências Políticas. Tem MBA em Jornalismo Digital e em Administração e Marketing. Em 1990 fundou o Jornal Correio do Sul, assim como foi um dos fundadores da Rádio 93 FM em 2010. Atua também como produtor cultural e escritor.

13 de setembro de 2018 00:42

Rolando Christian Coelho, 13/09/2018

Mauro Mariani foge de Henrique Meirelles, enquanto Merisio não quer encher a bola de Alckmin do PSDB, ao tempo em que PT tem dois presidenciáveis.


Falta sintonia entre candidatos daqui de baixo e os lá de cima / /

Nunca na história de Santa Catarina a falta de sintonia entre os candidatos a governador, e os candidatos a presidente da República, apoiados por seus partidos, foi tão grande. Mauro Mariani, candidato do MDB ao governo catarinense, tem feito questão de passar longe do presidenciável Henrique Meirelles (MDB). O MDB catarinense, aliás, está totalmente comprometido com a campanha de Geraldo Alckmin (PSDB), por conta do apoio dos tucanos à candidatura de Mariani.
Já o PSD de Gelson Merisio, que também disputa o governo, está se fazendo de morto quando o assunto é candidatura presidencial. Oficialmente, o partido está coligado com o PSDB de Alckmin. O problema é que trabalhar para Alckmin é o mesmo que trabalhar para o PSDB catarinense, que está aliado ao MDB, principal adversário do PSD neste momento.
O PT de Décio Lima, por sua vez, parece ter aceito, pelo menos oficialmente, a substituição da candidatura de Lula da Silva pela de Fernando Haddad à Presidência. O problema é que o partido ainda insiste na tese de que o caso de Lula deve ser revisto, mantendo ele como uma espécie de candidato fantasma, à sombra de Haddad. No fim, é como se o PT estivesse concorrendo com dois candidatos à Presidência.
Mas a situação ainda pode ficar pior. Diante da remota possibilidade de uma disputa entre Alckmin e Haddad no segundo turno presidencial, e de uma possível disputa entre Mariani e Merisio aqui no Estado, o PSD catarinense acabaria trabalhando para o candidato do PT, afim de receber o apoio de Décio Lima. Já o Progressista, que é aliado do PSD em nível estadual, trabalharia para o PSDB, já que a candidata a vice de Alckmin é a senadora Ana Amélia Lemos (PP).

Notas

Deputado estadual Manoel Mota (MDB) tem buscado amenizar frustração por não ter conseguido emplacar na vice-presidência da Assembleia Legislativa, em eleição realizada na terça-feira. Mota era o candidato do governo para o cargo, mas acabou abrindo mão desta pretensão em nome do consenso, que acabou convergindo para o nome de Leonel Pavan (PSDB). De acordo com o parlamentar, “o importante foi emplacar um deputado ligado ao governo na vaga”. Mota não deixa de ter razão. A oposição tinha votos para eleger quem quisesse, e acabou aceitando Pavan, que é filiado ao PSDB, partido aliado do MDB no pleito estadual deste ano.

Deputado estadual José Milton Scheffer (PP) foi salvo pelo gongo, no que diz respeito à candidatura de Leodegar Tiscoski (PP) a deputado federal. É que depois que o deputado federal Jorge Boeira (PP) desistiu de ir à reeleição, e passadas as articulações para que o ex-prefeito de Criciúma, Márcio Búrigo (PP), disputasse em seu lugar, o nome que quase emplacou para representar os progressistas do Sul do Estado, na disputa pela Câmara Federal, foi o da presidente do partido em Nova Veneza, Ângela Ghislandi. Passadas todas as especulações, e consolidada a candidatura de Leodegar, Ângela declarou apoio aberto ao projeto de reeleição do deputado estadual Valmir Comim (PP). Na prática, a dobradinha oficial do PP no Sul seria Ângela e Comin, com reflexos diretos na base eleitoral de Zé Milton.

Mesmo com a conflituosa situação que envolve a candidatura do deputado federal João Rodrigues (PSD) à reeleição, ex-prefeito de Balneário Arroio do Silva, Evandro Scaini (PSD), que concorre à Assembleia Legislativa, diz que a parceria com ele continua. “Seguimos firmes em nossos projetos. A parceira está consolidada”, ressalta o ex-prefeito. Condenado a prisão por suposta improbidade administrativa, Rodrigues conseguiu liminar no Superior Tribunal de Justiça para ser solto, mas esta foi cassada pelo Supremo Tribunal Federal. Na prática, agora, ele tenta cassar a liminar que cassou a sua soltura.

Partidos tradicionais detêm metade das candidaturas a deputado estadual do Sul do Estado. O Progressista é o que tem o maior número. No total, são cinco candidatos distribuídos nas regiões da Amesc, Amrec e Amurel. Depois, empatados com quatro candidatos cada, estão o MDB e o PSDB. Com três candidatos à Assembleia cada um, aparecem o PSD e PT. Interessante observar que o PSL, que está praticamente surgindo no Sul do Estado com a eleição deste ano, por conta da figura de Jair Bolsonaro (PSL), tem também três candidatos a deputado estadual. As demais candidaturas estão fracionadas entre os mais diversos partidos, a exemplo de PSTU, PCO, Rede, PV, Podemos, DEM, e por ai a fora, cada qual com um ou dois candidatos a estadual no Sul catarinense.

Charge

Mais de Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Algumas candidaturas femininas já levantam...

Há candidatas que não estão usando nem mesmo suas próprias redes...

Rolando Christian Coelho

Facada atingiu mais Alckmin do que o próprio...

Candidato do PSDB não poderá contar com votos que fatalmente se...

Rolando Christian Coelho

Ganância do Estado foi o que criou Jair Bolsonaro

Grande verdade é que a sociedade cansou de carregar a máquina...

Rolando Christian Coelho

Mota não emplaca como vice-presidente da...

Deputado era a aposta do MDB para emplacar na Mesa Diretora, em...

Mapa de Editorias