Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Sant' Helena Coelho é bacharel em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Também é bacharel em Psicologia e bacharel em Ciências Políticas. Tem MBA em Jornalismo Digital e em Administração e Marketing. Em 1990 fundou o Jornal Correio do Sul, assim como foi um dos fundadores da Rádio 93 FM em 2010. Atua também como produtor cultural e escritor.

19 de setembro de 2018 00:39

Rolando Christian Coelho, 19/09/2018

Caso o deputado fique de fato inelegível, o progressista acabaria tendo um adversário a menos dentro de sua coligação, que é bem disputada.


Impugnação de João Rodrigues poderá beneficiar Leodegar / /

Tribunal Regional Eleitoral rejeitou o pedido de registro de candidatura à reeleição do deputado federal João Rodrigues (PSD). Na prática, sua candidatura foi impugnada, por conta de uma condenação que pesa contra ele por parte do TRF-4, o que, até mesmo, o levou para atrás das grades por alguns meses, sob a acusação de improbidade administrativa, enquanto prefeito em exercício de Pinhalzinho, na década de 1990.
Ainda que o registro tenha sido impugnado pelo TRE, foi permitido que seu número, nome e foto constem na urna eletrônica, com vista à eleição de 7 de Outubro. É que ainda cabe recurso de Rodrigues em instâncias superiores, tanto da Justiça Eleitoral, quanto da justiça comum.
A situação imposta a João Rodrigues acaba beneficiando a candidatura de Leodegar Tiscoski (PP) a deputado federal. É que o PSD de Rodrigues e o Progressista de Leodegar fazem parte da mesma coligação proporcional. Como é provável que ele mantenha seu nome na urna eletrônica até o dia da eleição, acabará recebendo milhares de votos, a exemplo de 2014. Só que nada garante que ele será diplomado, já que os recursos interpostos por são uma incógnita no que diz respeito ao resultado.
Em situações parecidas com esta, ainda oriundas das eleições municipais de 2016, o que se viu foi o candidato sendo cassado, mas não os seus votos, que continuaram pertencendo à coligação. Se isto acontecer, Rodrigues traria votos para a coligação de Leodegar, mas não ficaria na frente dele no preenchimento de vagas. Ou seja, Leodegar precisaria fazer menos votos para se eleger, por conta de uma legenda mais baixa, e ainda teria um adversário interno a menos.
Atualmente as especulações dão conta de que a coligação composta por PSD e Progressistas elegerá cinco deputados federais. Na briga por estas cinco vagas estão João Rodrigues, Darci de Matos (PSD), Ângela Amin (PP), Hugo Biehl (PP), Leodegar, César Souza Júnior (PSD) e Ricardo Guidi.

Notas

MDB do Sul do Estado não parece nem um pouco preocupado com a campanha de Henrique Meirelles (MDB) à Presidência. Santinhos dos candidatos a deputado do partido pedem votos para todos os cargos, menos para o de presidente. Afora o fato de Meirelles não empolgar nem os mais próximos a ele, o MDB catarinense está compromissado até o pescoço com a candidatura presidencial de Geraldo Alckmin (PSDB), que deu aval para que os tucanos coligassem com Mauro Mariani (MDB).

Ex-presidente da Câmara Municipal de Ermo, vereador Daniel Borges (MDB), está apostando que o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) fará uma votação recorde no município. De acordo com ele, raramente se observa alguém defender outra candidatura ao Palácio do Planalto que não seja a de Bolsonaro. Para ele, por contar com menos de dois mil eleitores, é provável que Ermo seja um dos municípios do país que, proporcionalmente, mais dê votos a Bolsonaro no primeiro turno da eleição deste ano. Em nossa região, quanto mais rural o município, mais Bolsonaro tem força.

Partidos aliados a campanha de Mauro Mariani (MDB) ao Governo do Estado promoverão ato político no próximo dia 29, um sábado, em Sombrio. A mobilização, que é regional, está sendo capitaneada pelo prefeito Zênio Cardoso (MDB). Na prática, o que se pretende é promover um grande ato político em Sombrio, com líderes do MDB, PSDB, PR, PTB, PPS, e demais partidos aliados, objetivando o fortalecimento de Mariani e dos demais candidatos da coligação encabeçada por ele.

Candidata a deputada estadual Paulinha Silva (PDT), que tem ocupado importantes espaços dentro de seu partido em nossa região, está tendo seu nome colado ao de Jorginho Mello (PR), que é candidato ao Senado da República. O detalhe da história é que o PDT de Paulinha está aliado ao grupo do candidato a governador Gelson Merisio (PSD), que, por sua vez, tem como candidatos ao Senado Esperidião Amin (PP) e Raimundo Colombo (PSD). Não raro é possível encontrar adesivos de propaganda eleitoral pedindo votos para Paulinha à deputada e Jorginho Mello a senador.

Charge

Mapa de Editorias