Polícia     6 de dezembro de 2017 09:17
Autor: Gislaine Fontoura
Araranguá

Casca se apresenta na delegacia e é preso

Contra o boxeador havia um mandado de prisão preventiva, deferido pelo Poder Judiciário, após requerimento do delegado titular da Dpcami


O boxeador Claudinei Rodrigues Lacerda, o Casca, foi preso na tarde desta terça-feira, pela Polícia Civil de Araranguá. Casca é acusado de matar Elenita Rosa Rodrigues, de 46 anos, mais conhecida como Lita e de tentar matar o companheiro dela, Luciano da Silva, de 43 anos, ambos os crimes cometidos com uma barra de ferro. A vítima fatal é tia e mãe de criação da ex-companheira de Casca, uma mulher de 25 anos, moradora do bairro Mato Alto, em Araranguá.
O crime aconteceu logo após a zero hora de domingo, na casa da ex-companheira de Casca e na tarde de sábado, o boxeador já havia procurado pela ex-mulher na residência dela. Contra Casca havia uma medida protetiva, a qual proibia a aproximação dele da ex-companheira, devido a uma agressão anterior, registrada na Delegacia de Proteção à Criança, Mulher, Adolescente e Idoso (Dpcami) de Araranguá.
Na tarde de segunda-feira, o delegado Jair Pereira Duarte, coordenador da Dpcami, ouviu testemunhas do caso, incluindo a vítima da tentativa de homicídio, que foi inquirida no hospital. Segundo os depoimentos, Casca invadiu a casa da ex-companheira bastante alterado e, assustada, ela chamou pela família.
O padrasto foi o primeiro a ser atingido e teve os dois braços quebrados por uma barra de ferro usada pelo boxeador. Lita também foi agredida por Casca, sem defesa nenhuma caiu gravemente ferida, vindo a falecer logo após dar entrada no Hospital Regional de Araranguá (HRA). A ex-companheira de Casca não foi agredida neste domingo, porém alguns dias antes havia sido atacada pelo boxeador, com a mesma barra de ferro e esta agressão gerou a medida protetiva.
Na segunda-feira, após extenso trabalho investigativo, o delegado Jair requereu pela prisão preventiva de Casca, que foi deferida pelo Poder Judiciário na terça-feira e a autoridade policial elogiou a agilidade do Ministério Público e do Poder Judiciário no deferimento do mandado de prisão preventiva, que possibilitou a prisão do boxeador.
Segundo os delegados Marlon Bosse, coordenador da Central de Plantão Policial (CPP) de Araranguá e da Delegacia de Polícia de Arroio do Silva e Vandilson Moreira da Silva, coordenador da 1ª Delegacia de Polícia de Araranguá, no momento em que a Polícia Civil recebeu a informação do mandado de prisão, 30 policiais civis de todas as delegacias de Araranguá e da delegacia de Arroio do Silva foram para a rua atrás de Casca, em vários municípios da região.
Por volta das 16h45min desta terça-feira, Casca se apresentou na CPP e o delegado Jair, acredita que ele já sabia que a Polícia Civil estava atrás dele e por este motivo se entregou. Para o delegado, o boxeador disse que agiu em legítima defesa e, segundo a autoridade policial, demonstrou bastante frieza durante o depoimento.
Casca foi indiciado pelos crimes de ameaça, violação de domicílio, homicídio, feminicídio e homicídio tentado, triplamente qualificado pelos motivos torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vitima.

Delegado Jair Pereira Duarte pediu a preventiva de Casca na segunda-feira

Relacionados

Polícia

Casca participa de reconstituição do homicídio...

Boxeador é acusado de matar mãe da ex-companheira e tentar matar...

Polícia

Polícia procura suspeito de assassinatos do fim...

Marcos Antônio de Lima Manoel, mais conhecido como Boca, é...

Polícia

Idoso é encontrado sem vida em valo

Fatalidade ocorreu na localidade de Sanga Negra

Polícia

Duplo homicídio é registrado em Arroio do Silva

Casal estava em uma festa e foi alvejado na saída

Mapa de Editorias