Polícia     6 de dezembro de 2017 09:17
Autor: Gislaine Fontoura
Araranguá

Casca se apresenta na delegacia e é preso

Contra o boxeador havia um mandado de prisão preventiva, deferido pelo Poder Judiciário, após requerimento do delegado titular da Dpcami


O boxeador Claudinei Rodrigues Lacerda, o Casca, foi preso na tarde desta terça-feira, pela Polícia Civil de Araranguá. Casca é acusado de matar Elenita Rosa Rodrigues, de 46 anos, mais conhecida como Lita e de tentar matar o companheiro dela, Luciano da Silva, de 43 anos, ambos os crimes cometidos com uma barra de ferro. A vítima fatal é tia e mãe de criação da ex-companheira de Casca, uma mulher de 25 anos, moradora do bairro Mato Alto, em Araranguá.
O crime aconteceu logo após a zero hora de domingo, na casa da ex-companheira de Casca e na tarde de sábado, o boxeador já havia procurado pela ex-mulher na residência dela. Contra Casca havia uma medida protetiva, a qual proibia a aproximação dele da ex-companheira, devido a uma agressão anterior, registrada na Delegacia de Proteção à Criança, Mulher, Adolescente e Idoso (Dpcami) de Araranguá.
Na tarde de segunda-feira, o delegado Jair Pereira Duarte, coordenador da Dpcami, ouviu testemunhas do caso, incluindo a vítima da tentativa de homicídio, que foi inquirida no hospital. Segundo os depoimentos, Casca invadiu a casa da ex-companheira bastante alterado e, assustada, ela chamou pela família.
O padrasto foi o primeiro a ser atingido e teve os dois braços quebrados por uma barra de ferro usada pelo boxeador. Lita também foi agredida por Casca, sem defesa nenhuma caiu gravemente ferida, vindo a falecer logo após dar entrada no Hospital Regional de Araranguá (HRA). A ex-companheira de Casca não foi agredida neste domingo, porém alguns dias antes havia sido atacada pelo boxeador, com a mesma barra de ferro e esta agressão gerou a medida protetiva.
Na segunda-feira, após extenso trabalho investigativo, o delegado Jair requereu pela prisão preventiva de Casca, que foi deferida pelo Poder Judiciário na terça-feira e a autoridade policial elogiou a agilidade do Ministério Público e do Poder Judiciário no deferimento do mandado de prisão preventiva, que possibilitou a prisão do boxeador.
Segundo os delegados Marlon Bosse, coordenador da Central de Plantão Policial (CPP) de Araranguá e da Delegacia de Polícia de Arroio do Silva e Vandilson Moreira da Silva, coordenador da 1ª Delegacia de Polícia de Araranguá, no momento em que a Polícia Civil recebeu a informação do mandado de prisão, 30 policiais civis de todas as delegacias de Araranguá e da delegacia de Arroio do Silva foram para a rua atrás de Casca, em vários municípios da região.
Por volta das 16h45min desta terça-feira, Casca se apresentou na CPP e o delegado Jair, acredita que ele já sabia que a Polícia Civil estava atrás dele e por este motivo se entregou. Para o delegado, o boxeador disse que agiu em legítima defesa e, segundo a autoridade policial, demonstrou bastante frieza durante o depoimento.
Casca foi indiciado pelos crimes de ameaça, violação de domicílio, homicídio, feminicídio e homicídio tentado, triplamente qualificado pelos motivos torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vitima.

Delegado Jair Pereira Duarte pediu a preventiva de Casca na segunda-feira

Relacionados

Polícia

DIC acaba com desmanche em Araranguá

Carros roubados no Rio Grande do Sul eram desmontados em Araranguá

Polícia

Discussão em fila para abastecer acaba em...

Fato ocorreu na tarde desta quarta-feira, em um posto de...

Polícia

Homem furta calçados e acaba preso

PM encontrou ladrão de tênis novo nos pés

Mapa de Editorias