Clima

09/06/2017 06:00

Chuva atinge 28,8 mil catarinenses em 90 municípios


A Secretaria de Estado da Defesa Civil divulgou, às 8h desta quarta-feira, 7, mais um boletim das chuvas em Santa Catarina. O número de pessoas atingidas chega a 28.818 em 90 municípios. As cidades de Rio do Sul e Lages seguem com a situação mais crítica, com 21 abrigos com 960 pessoas e 6 abrigos com 406, respectivamente. Em todo o Estado são 2.367 pessoas desabrigadas, 21.395 desalojados e 8.728 residências atingidas.

Conforme a previsão do tempo da Epagri/Ciram a chuva segue até a quinta-feira, 8. “Há chances de termos até aberturas de sol em algumas regiões do Estado, como o Norte e Litoral, na quinta-feira. As chuvas começam pela manhã do Oeste se deslocando gradativamente para as outras regiões. A frente fria que atua, pode trazer pancadas de chuva moderadas a forte, descargas elétricas e temporais localizados”, explicou o meteorologista Clóvis Correa.

O secretário adjunto da Defesa Civil de Santa Catarina, Fabiano de Souza, informa que a Defesa Civil continua em alerta em todos os municípios, especialmente nas cidades das regiões do Oeste, Planalto Serrano e Vale do Itajaí. As equipes da Defesa Civil estadual, com as unidades municipais e outros órgãos como os batalhões dos bombeiros, estão trabalhando constantemente em atendimento às situações de emergência.

Para acionar a unidade municipal da Defesa Civil, basta ligar para a central 199.

Previsão da Epagri/Ciram

Para sexta-feira, 9, a previsão indica a possibilidade de chuva fraca na madrugada em todas as regiões, melhorando gradativamente com aberturas de sol já na manhã.

O meteorologista informou que com a saída da frente fria do Estado no período da madrugada, haverá uma queda significativa nas temperaturas, devido a chegada de uma massa de ar polar. Com isso, a umidade que ainda deve permanecer, possibilita a chance de  neve no Planalto Sul e Meio-Oeste.

Já para o sábado, uma boa notícia aos catarinenses, a previsão é de tempo seco e ensolarado em SC. A temperatura segue baixa, próxima de 0°C e negativa nas áreas altas do Estado, com condições de geada ampla. O frio será intenso também no Litoral, com mínima de 4°C a 6°C.

A tendência de domingo, 11, até a terça-feira, 13, é de tempo mais firme com sol entre nuvens em Santa Catarina, sem previsão de chuva. A partir da quarta-feira, 14, há indicativo de chuva frequente novamente no Estado, com acumulados significativos, devido a frente que deve ficar estacionária no Sul do Brasil.

Situação nas barragens – Leitura das 11h

– Vale Sul

* Montante: 32.16 m
* Jusante: 1.80m
* Lâmina vertedouro :1.16 m
* Comportas abertas: 0
* Comportas fechadas: 5
* Canal extravasor: fechado
* Tempo: nublado
* Pluviometria: 0.0mm
* Reservatório: 100 %

– Vale Oeste

* Montante: 20.46 m
* Jusante: 7.00 m
* Comportas abertas: 3
* Comportas fechadas: 4
* Canal extravasor: Fechado
* Tempo: nublado
* Pluviometria: 0.0 mm
* Reservatório: 79 %

– Vale Norte:

* Montante: 14.20
* Jusante: sem régua.
* Comportas abertas: 0
* Comportas fechadas: 2
* Tempo: nublado
* Pluviometria: 0.0  mm.
* Reservatório: 13 %

Nível dos Rios:

* Taió: 7.72 m
* Rio do oeste:9.19 m
* Ituporanga:1.90 m
* Rio do Sul .9.64 m


07/06/2017 19:00

SC já soma mais de 28,6 mil pessoas afetadas pelas chuvas em 90 cidades


O novo relatório divulgado pela Defesa de Santa Catarina às 17h desta terça, 6, aponta 90 cidades do Estado prejudicadas pelas chuvas dos últimos dias. São 28.698 pessoas afetadas, sendo que 21.260 estão desalojadas (transferidas para casas de parentes ou amigos) e 2.346 desabrigadas (atendidas em abrigos públicos). O número de residências atingidas chegou a 8.698.

O secretário adjunto da Defesa Civil de Santa Catarina, Fabiano de Souza, diz que a situação ainda é de alerta porque mesmo com o menor volume de chuvas registrado nesta terça-feira, 6, os rios ainda estão cheios e a previsão é de que vai continuar chovendo nos próximos dias, principalmente na quinta-feira.

O alerta é maior para as cidades das regiões do Oeste, Planalto Serrano e Vale do Itajaí. Equipes da Defesa Civil estadual, em parceria com as unidades municipais e outros órgãos como os batalhões dos bombeiros, estão trabalhando constantemente em atendimento às situações de emergência.

Para acionar a unidade municipal da Defesa Civil, basta ligar para a central 199.

Balanço da Defesa Civil desta terça-feira, 6/6/2017, às 17h

Abrigos:
Lages: 6 abrigos com 406 pessoas
Rio do Sul: 21 abrigos com 960 pessoas
Rio do Oeste: 3 abrigos com 186 pessoas
Laurentino: 4 abrigos com 87 pessoas
Capinzal: 1 abrigo com 6 pessoas
Agronômica: 1 abrigo com 97 pessoas
Taió: 2 abrigos com 24 pessoas
Correia Pinto: 6 abrigos com 88 pessoas
Ituporanga: 9 abrigos com 121 pessoas

Ocorrências:
2 registros de vendaval
10 registros de alagamento
11 registros de enxurrada
15 registros de chuva intensa
26 registros de inundação
42 registros de deslizamentos

Itens de assistência humanitária
Lages: 610 cestas básicas; 610 kits de limpeza; 2.036 kits de higiene pessoal; 83 colchões de solteiro e 83 acomodações de solteiro.
Rio do Sul: 147 cestas básicas; 526 kits higiene pessoal; 144 galões de água de 5 litros; 147 kits de limpeza; 50 colchões de solteiro e 50 kits acomodações para colchões.


06/06/2017 20:00

Defesa Civil alerta para continuação de chuvas


A chuva continua em Santa Catarina e 85 municípios já registram ocorrências como inundação, alagamentos, enchentes, granizo, vendaval, queda de árvore e deslizamentos de terra. A chuva voltou a cair neste domingo , 4, após uma pequena pausa de dois dias. As chuvas registradas nas últimas 24 horas superaram a previsão mensal de precipitação para o mês de junho, especialmente no Planalto Sul, onde a média mensal de precipitação fica entre 90mm e 130mm, conforme dados da Defesa Civil. Os maiores volumes de chuva foram registradas em Lages (172mm), Bocaína do Sul (166mm), São José do Cerrito (161mm), Otacílio Costa (153mm), Rio Rufino (119mm) e Alfredo Wagner (112mm).

>>> Escolas suspendem aulas devido à chuva em Santa Catarina

A Defesa Civil alerta para o risco de deslizamentos de terra em todas as regiões do Estado, especialmente no Oeste, Meio-Oeste, Vale do Itajaí, Litoral Sul e Grande Florianópolis. Deve ser observado qualquer movimento de terra ou rochas próximas a residências, inclinação de postes e árvores e rachaduras em muros ou paredes. Neste caso, é recomendável que a família saia de casa e acione a Defesa Civil municipal pelo 199 ou o Corpo de Bombeiros 193. A Defesa Civil chama a atenção ainda pra o risco de inundações nos médios e grandes rios nos municípios do Vale do Itajaí, especialmente no Alto Vale, Rio Canoas, Rio Cará, Rio Uruguai, e todas as bacias do Litoral Sul. Também há possibilidade de inundações nas bacias do Rio do Peixe, Rio Negro, Rio Tijucas e Rio Queimados.

No Estado, já são 1.021 desalojados (em casa de parentes e amigos); 1.178 desabrigados (estão em abrigos públicos); 9.988 afetados (todos atingidos de alguma forma pelo evento) e 2.568 residências afetadas. Na noite deste domingo, houve registros de enxurrada em Agrolândia, Petrolândia, Imbuia, São José do Cerrito e Bom Retiro. Em Bom Retiro, a água afetou 24 casas, sendo que uma família foi para residência de parentes. Em São José do Cerrito, a Defesa Civil municipal informou que a água atingiu 40 residências. Em pouco tempo, a água baixou e ninguém precisou sair de casa.

Em Lages, mais um abrigo foi ativado. Agora são cinco abrigos com 133 pessoas. Nesta segunda-feira, 6, uma geóloga da Udesc vai vistoriar as áreas de risco das famílias que saíram de casa no domingo. A Defesa Civil Estadual enviou para Lages 288 cestas básicas, 288 kits de limpeza, 748 kits de higiene pessoal, 83 colchões de solteiro e 83 acomodações de solteiro. Para Rio do Sul, foram encaminhados 147 cestas básicas; 526 kits higiene pessoal; 144 galões de água de 5 litros; 147 kits de limpeza; 50 colchões de solteiro e 50 kits acomodações para colchões.

A meteorologista da Epagri/Ciram Gilsânia Cruz informou que a chuva segue até quinta-feira, 8. Os valores variam entre 150mm e 230mm de chuva, dependendo da região. “As pessoas devem acompanhar a previsão do tempo diariamente porque previsão podem mudar”, disse.

Para mais informações sobre o tempo e alertas, siga as redes sociais da Epagri/Ciram e Defesa Civil SC.

Abrigos:

Lages: 6 abrigos com 171 pessoas

Rio do Sul: 12 abrigos com 564 pessoas

Rio do Oeste: 3 abrigo com 186 pessoas

Ponte Serrada: 1 abrigo com 4 pessoas

Laurentino: 1 abrigo com 70 pessoas

Capinzal: 1 abrigo com 6 pessoas

Agronômica: 1 abrigo 97 pessoas

Taio 1 abrigo 7 pessoas

Correia Pinto  1 abrigo – 56 pessoas

Barragens – 05/06/2017 – Última atualização 7h

– Vale Sul

* Montante: 31.65 m

* Jusante: 1.70 m

* Comportas abertas: 0

* Comportas fechadas: 5

* Canal extravasor: fechado

* Tempo: chuvoso

* Reservatório: 100 %

– Vale Oeste

* Montante: 17.28 m

* Jusante: 5.40 m

* Comportas abertas: 0

* Comportas fechadas: 7

* Canal extravasor: Fechado

* Tempo: chuvoso

* Reservatório: 57%

– Vale Norte

* Montante: 12.00 m

* Comportas abertas: 2

* Comportas fechadas: 0

* Tempo: chuvoso

* Reservatório: 10%

 

Nível dos Rios 

* Taió: 6.40 m

* Rio do Oeste: 7,41m

* Ituporanga: 2,75m

* Rio do Sul: 9,55m

* Brusque: 6,40m

Recomendações da Defesa Civil SC:

Alagamentos/Inundações: evitar o contato com as águas e não dirigir em lugares alagados. Evitar transitar em pontilhões e pontes submersas e cuidado com crianças próximas de rios e ribeirões.

Enxurradas: Não fique próximo às margens de rios e ribeirões, principalmente em regiões de relevo acentuado, montanhoso e pequenos vales, pois muitas vezes há temporais intensos sobre os topos e cabeceiras, gerando repentinamente grande quantidade de água num curto espaço de tempo. Este tipo de evento adverso apresenta grande poder destrutivo, podendo arrastar veículos, pessoas, animais e mobílias por vários quilômetros. A força das águas pode ainda provocar o rolamento de blocos de pedras, arrancar árvores, destruir edificações e causar deslizamentos de terra nas margens.

Tempestades com descargas elétricas (raios) e ventos fortes: Proteja-se em local abrigado, longe de placas, de árvores, de postes de energia e de objetos que podem ser arremessados. Se não encontrar um abrigo, agache-se com os pés juntos, com a cabeça encostada em seu peito ou entre os joelhos e as mãos cobrindo suas orelhas ou apoiadas em seus joelhos. Se estiver na praia, jamais fique na água. Não olhe para o raio. Se estiver em casa ou qualquer outro local abrigado, desligue os aparelhos eletrônicos, não use o telefone, fique longe das janelas e lembre-se, o banheiro em alvenaria é o melhor local durante uma tempestade!

Deslizamentos de terra: deve ser observado qualquer movimento de terra ou rochas próximas a residências, inclinação de postes e árvores e rachaduras em muros ou paredes. Neste caso, é recomendável que a família saia de casa e acione a Defesa Civil municipal pelo 199 ou o Corpo de Bombeiros 193.

Qualquer problema comunique a coordenadoria municipal de Defesa Civil, através do telefone de emergência 199 ou para o Corpo de Bombeiros no número 193.


02/06/2017 12:00

Chuva volta a provocar transtornos


A chuva forte dos últimos dias cau sou alguns transtornos na região, de acordo
com o coordenador regional da Defesa Civil, Sebastião Antônio de Souza, até a tarde
desta quinta-feira, pontos de alagamento foram registrados em vias públicas, além de
um pequeno deslizamento de terra, em frente ao Parque das Águas, na estrada marginal a BR-101, em Sombrio. O deslizamento interditou metade da pista e além da Defesa Civil Regional, a Defesa Civil Municipal e a Polícia Rodoviária Federal também foram comunicadas. “Não foi nada grande e não tem residências em risco”, tranquilizou Sebastião. Em Praia Grande, o rio Mampituba registrou, durante
a tarde, um volume de água de 2.30metros, no entanto não saiu do seu leito. O rio
Araranguá estava com nível de 2,67metros, também ainda dentro do leito. Em Maracajá, Arroio do Silva, Araranguá e Meleiro algumas ruas ficaram alagadas. Em Passo de Torres, uma escola teve aulas canceladas, devido a problemas com o esgoto, que não dava vazão. O município de Timbé do Sul registrou muitas ruas alagadas
e as estradas de interior estão cheias de buracos. Segundo Sebastião, em
Praia Grande e Timbé do Sul os prefeito cogitam decretar situação de emergência.
Em virtude da grande quantidade de chuva que caiu nos últimos dias, a região está
com alerta de escoamento de terra e de inundação, devido às águas que estão descendo.
Conforme Sebastião, o risco de inundação é pequeno e até a tarde de ontem não havia registro de pessoas desalojadas.

Carregar mais

Mapa de Editorias