Curioso

08/04/2018 18:00

Interstício, o ‘novo órgão’ do corpo humano que a ciência acaba de descobrir


Ele sempre esteve ali, mas foi apenas por meio de uma tecnologia mais avançada que os cientistas finalmente puderam identificá-lo: um espaço repleto de cavidades preenchidas por líquido, presente entre os tecidos do nosso corpo – por isso, chamado de intersticial (entre tecidos). Um grupo de especialistas o classifica como um novo órgão do corpo humano, “uma nova expansão e especificação do conceito de interstício humano”.

Paradoxalmente, apesar de ter sido descoberto apenas agora, o intertício pode ser nada menos do que um dos maiores órgãos do corpo humano, assim como a pele. Os cientistas afirmam que essa rede de cavidades de colágeno e elastina, cheia de líquido, reuniria mais de um quinto de todo o fluído do organismo.

A descoberta foi feita por uma equipe de patologistas da Escola de Medicina da Universidade de Nova York (NYU), Estados Unidos. Os resultados foram publicados na revista Scientific Reports .

Antes, se acreditava que essas camadas intersticiais do corpo humano fossem formadas por um tecido conjuntivo denso e sólido. Mas, na realidade, elas estão interconectadas entre si, através de compartimentos cheios de líquidos.

Estes tecidos ficam localizados debaixo da pele, recobrem o tubo digestivo, os pulmões e o sistema urinário, rodeiam as artérias, veias e fáscia (estrutura fibrosa onde se fixam músculos). Ou seja, são uma estrutura que se extende por todo o corpo.

Os pesquisadores acreditam que esta estrutura anatômica pode ser importante para explicar a metástase do câncer, o edema, a fibrose e o funcionamento mecânico de tecidos e órgãos do corpo humano.

Como não havia sido descoberto até agora?

Essas estruturas não são visíveis com nenhum dos métodos padrões de visualização da anatomia humana. Agora, os cientistas puderam identificar esse novo “órgão” graças aos avanços tecnológicos da endomicroscopia ao vivo, que mostra em tempo real a histologia e estrutura dos tecidos.

De qualquer forma, a descoberta foi uma surpresa.

A equipe de investigadores fez, em 2015, uma operação com endomicroscopia a laser – uma tecnologia chamada Confocal Laser Endomicroscopy (pCLE) – para examinar o conduto biliar de um paciente com câncer. Depois de uma injeção de uma substância corante chamada fluoresceína, foi possível ver “um padrão reticular com seios (ocos) cheios de fluoresceína, que não tinham nenhuma correlação anatômica”.

Em seguida, os cientistas tentaram examinar mais detalhadamente essa estrutura. Para isso, usaram placas microscópicas de biópsia habitual. Porém, as estruturas haviam desaparecido.

Foto: BBCBrasil.com

Depois de fazer vários testes, Neil Theise, coautor do estudo, se deu conta de que o processo convencional de fixação de amostras de tecidos em placas drenava o fluído presente na estrutura. Normalmente, os cientistas tratam as amostras com produtos químicos, as cortam em uma camada muito fina e aplicam tinta para realçar suas características chave. Porém, esse procedimento faz colapsar a rede de compartimentos, antes cheios de líquidos. É como se os pisos de um edifício desmoronassem.

Por isso, “durante décadas, (a estrutura) pareceu como algo sólido nas placas de biópsia”, disse Theise, que faz parte do departamento de patologia da Universidade de Nova York.

Ao mudar a técnica de fazer a biópsia, sua equipe conseguiu preservar a anatomia da estrutura, “demonstrando que ela forma parte da submucosa e que é um espaço intersticial cheio de fluído não observado anteriormente”. Assim, foram identificadas “tiras largas e escuras ramificadas, rodeadas de espaços grandes e poligonais cheios de fluoresceína”, descreve o estudo.

Os cientistas confirmaram a existência dessa estrutura em outros 12 pacientes operados.

Qual é sua função?

Até agora a ciência não estudou profundamente nem o fluxo nem o volume do fluído interticial do corpo humano. Por enquanto, a identificação desse “espaço intersticial” levanta várias hipóteses.

Os especialistas acreditam que essa rede de espaços interconectados, forte e elástica, pode atuar como um amortecedor para evitar que os tecidos do corpo se rasguem com o funcionamento diário – que faz com que os órgãos, músculos e vasos sanguíneos se contraiam e se expandam constantemente.

Além disso, acreditam que essa rede de cavidades é como uma pista expressa para os fluídos. Isso poderia embasar a hipótese de que o câncer, ao atingir o espaço intersticial, possa se expandir pelo corpo muito rapidamente. É a chamada metástase.

Por outro lado, os autores do estudo acreditam que as células que formam o interstício mudam com a idade, podendo contribuir com o enrugamento da pele e com o endurecimento das extremidades, assim como a progressão de doenças fibróticas, escleródios e inflamatórias.


08/04/2018 12:00

Cientistas descobrem 81 aldeias ‘perdidas’ que podem recontar a história da Amazônia


O desmatamento é uma ameaça à Amazônia, mas desta vez foi peça chave para uma descoberta arqueológica que pode recontar a história da maior floresta do mundo.

Graças a imagens aéreas de áreas desmatadas no Mato Grosso, um grupo de arqueólogos da Universidade de Exeter, no Reino Unido, descobriu 81 aldeias que, segundo seus cálculos, foram habitadas por entre 500 mil e 1 milhão de pessoas entre os anos de 1200 e 1450.

Um aspecto interessante da descoberta é que os assentamentos ficam distantes dos principais rios, o que contraria a tese de que as maiores populações anteriores à chegada dos europeus na América se concentravam em torno de grandes fontes de água.

Até pouco tempo atrás se estimava que, antes da colonização, viviam 8 milhões de pessoas nos 5,5 milhões de quilômetros quadrados da Amazônia.

Mas a recém-descoberta área de tribos sugere que só em 2 mil quilômetros quadrados viviam cerca de 750 mil pessoas.

“Esta é só mais uma peça no quebra-cabeças da Amazônia”, disse à BBC o arqueólogo brasileiro Jonas Gregorio de Souza, coautor do estudo, publicado nesta semana na revista Nature Communications.

“Há regiões da Amazônia sobre as quais não se sabia absolutamente nada. Essas áreas desmatadas nos ajudam a entender melhor as populações que viviam aqui e como se relacionavam com a paisagem.”

Conforme o pesquisador, possivelmente esses povos combinavam agricultura em pequena escala com o manejo de árvores frutíferas, como castanheiras.

Círculos, quadrados e hexágonos

Do céu, o que chamou a atenção dos pesquisadores foram os geoglifos, que são valas cavadas na terra em formatos geométricos, como círculos, quadrados e hexágonos.

Acredita-se que estas valas eram utilizadas para demarcar as vilas fortificadas. No solo, os pesquisadores encontraram o que é conhecido como terra preta, um tipo de solo muito fértil que se forma em locais onde humanos tenham se assentado durante muito tempo.

Ao escavar, encontraram restos de cerâmica e objetos como machados fabricados com pedra talhada.

Antes, já haviam sido encontrados assentamentos similares centenas de quilômetros ao oeste destas aldeias. Alguns relatos históricos também mencionam que esta área era povoada, o que sugere que não eram povoados isolados, mas sim um corredor habitado de maneira contínua por várias culturas.

Para Souza, estes assentamentos abrem caminho para novas investigações e descobertas. “Continuar a investigar essas culturas nos permitirá aprender qual a melhor forma de garantir a convivência sustentável de grandes populações com o meio ambiente.”

Souza só espera que as novas descobertas não ocorram graças ao desmatamento de amplas zonas de floresta.


01/04/2018 18:00

5 curiosidades sobre o sorriso que lhe farão rir ainda mais


O sorriso é universal, inato e torna as pessoas mais felizes. Uma boa risada tem tantos e tão profundos efeitos positivos sobre o corpo e a mente que muitos dizem ser o melhor remédio para qualquer problema.

Se você está procurando razões para rir ainda mais, aqui nós lhe contamos cinco curiosidades sobre o riso:

1 – Estudos dizem que rir ajuda a perder peso. Pesquisas já calcularam que rir dez minutos por dia pode ajudá-lo a queimar as mesmas calorias que meia hora de exercício físico.

2 – Todos os anos, o sorriso é celebrado no O Dia Mundial do Sorriso, que ocorre na primeira sexta-feira de outubro. A ideia de celebrar este dia foi de Harvey Ball, o criador do mítico Yellow Smiley Face (rosto sorridente amarelo).

3 – O sorriso pode ser medido com um “medidor de sorriso”. É um dispositivo que funciona com software que estuda diferentes pontos do rosto, como os lábios ou o contorno dos olhos. Algumas empresas usaram o dispositivo para mediar o sorriso de seus funcionários

4 – Quando abrimos um sorriso de orelha a orelha, as pessoas que nos rodeiam costumam nos lembrar mais facilmente. É mais fácil para o cérebro humano memorizar uma pessoa sorridente do que uma que permanece séria.

5- Os bebês nascem com a capacidade de sorrir. Sabemos que eles podem sorrir sem que ninguém esteja ao seu redor. É um gesto que é integrado ao nosso DNA.


01/04/2018 12:00

10 formas curiosas de comemorar a páscoa pelo mundo


Estamos em uma das datas preferidas dos chocólatras de plantão – a Páscoa! Além de nos esbaldarmos em quitutes deliciosos, o feriado  é um evento religioso cristão, no qual é celebrado a Ressurreição de Cristo, que teria ocorrido nessa época do ano entre 30 e 33 DC.

A data é comemorada em diversos países do mundo mas, como haveria de ser, a cultura de cada local faz com que a páscoa seja comemorada de forma diferente pelo globo.

 

1. Finlândia

pascoa1

 

2. Austrália

pascoa2

Na Austrália não é o coelhinho que traz os ovos de chocolate. Lá é o Bilby é um marsupial de 30cm a 60cm de comprimento e pesa até 2.5K, com um excelente senso de olfato e capacidade de audição. Essa troca aconteceu porque no país os coelhos são vistos como uma praga –  isso aconteceu porque em 1860 um britânico trouxe da Inglaterra 24 coelhos para  o país, para conseguir praticar seu hobby preferido: caçar coelhos. Como os coelhos são famosos pela sua capacidade de reprodução, esses 24 coelhos em 10 anos se transformaram em uma praga que até hoje não foi controlada pela Austrália. Por isso, eles decidiram trocar o mascote por um animal nativo da austrália e que inclusive corre risco de extinsão.

 

3. Grécia

pascoa3

Na Grécia, os ovos de chocolate foram trocados por ovos de galinha pintados de vermelho. Segundo a tradicão, o ovo simboliza vida e o vermelho, o sangue de Jesus. Os ovos são distribuídos entre os convidados e um vai encostando no ovo do outro até rachá-lo. Quem for o último a ter o ovo rachado, diz-se, vai ter sorte durante o próximo ano, segundo diz a lenda

4. Polônia

pascoa4

Na polônia, o dono da casa não pode ajudar a preparar o famoso Pão de Páscoa. Isso porque, segundo a tradição, se ele ajudar, o seu bigode vai ficar cinza (!?) e a massa não dá certo.

 

5. França

pascoa6

Na França, em Bessières (Haute Garonne) e também em Mazeres (Ariège), desde 1973, na Segunda-feira de Páscoa os cavaleiros da Confraria Mundial da Omelete Gigante de Páscoa confeccionam uma omelete com 15.000 ovos.

 

6. Guatemala

foto5

A Páscoa da Guatemala traz celebrações culturais com trajes tradicionais alegres, com máscaras e carpetes de flores coloridas, sobre os quais as pessoas caminham para chegar na igreja. As ruas das cidades também são cobertas por incenso e seculares rituais na data.

 

7. Bermudas

pipas

Em Bermuda, a Páscoa é alegremente celebrada empinando pipas na sexta-feira para representar a ascensão de Cristo ao céu.

 

8. Alemanha

esater82

A Páscoa na Alemanha é um grande evento, tanto para comemorar o feriado quanto a chegada da primavera. Os moradores fazem árvores enfeitadas com ovos de cores vibrantes. Eles fazem furinhos nos ovos para esvaziá-los, e os pintam com cores vibrantes e os enfeitam com papel crepom. Apesar de muitas famílias terem abandonado esse costume, um senhor alemnão chamado Volker Kraft, 76, colecionou, junto com a família, ao longo dos anos, 10 mil ovos de Páscoa. Todos eles são usados para decorar uma macieira no jardim do alemão, que vem atraindo milhares de visitantes.

9. Escócia

montains

Na Escócia, uma das diversões é brincar com ovos cozidos e coloridos.  Eles rolam os ovos ladeira abaixo e ovo vencedor é o que consegue rolar mais longe sem quebrar.

 

10. Índia

easter

Na Páscoa, os hindus fazem o festival Holi para relembrar o surgimento do deus Krishna. Nesta época a população dança, toca flautas e faz comidas especiais para receber os amigos. É comum que o dono da casa marque a testa dos convidados com um pó colorido.

Carregar mais

Mapa de Editorias