Educação

14/08/2018 08:00

Araranguá recebe etapa estadual da Olimpíada Brasileira de Robótica

A OBR é uma olimpíada científica que tem como objetivo estimular os jovens às carreiras científico-tecnológicas, identificar talentos e promover intercâmbio entre as escolas


A cidade de Araranguá receberá neste sábado, dia 18, a etapa catarinense da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR). A competição deve reunir 59 equipes e cerca de 220 estudantes de diferentes regiões. O time campeão representará Santa Catarina na etapa nacional, marcada para novembro, em João Pessoa (PB).
A OBR é uma olimpíada científica que tem como objetivo estimular os jovens às carreiras científico-tecnológicas, identificar talentos e promover intercâmbio entre as escolas. Participam estudantes de escolas públicas e particulares de Ensino Médio e Técnico. Posteriormente, haverá a modalidade teórica da competição, com a aplicação de uma prova nas escolas.
Utilizando kits de robótica educacionais, as equipes de estudantes montam e programam seus robôs que no dia da prova precisam desempenhar as tarefas de forma autônoma. O desafio simula um ambiente de desastre: os robôs percorrem trajetos, desviam obstáculos e resgatam esferas que representam as vítimas, colocando-as em um local determinado. As pistas têm três níveis de dificuldade. Vence a equipe que somar mais pontos ao final das três tentativas.
“A participação dos estudantes em competições de robótica é importante porque eles desenvolvem o raciocínio lógico, a organização e a capacidade de solucionar problemas. Para a OBR, também é uma forma de atrair os jovens para as carreiras tecnológicas”, explicou Giovani Batista de Souza, professor do Câmpus Criciúma do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e coordenador estadual da OBR.
O organizador local da competição é o professor do Câmpus Araranguá do IFSC, Werther Serralheiro. O IFSC estará representado na competição com equipes dos câmpus Araranguá, Criciúma, Tubarão e Joinville. Outras escolas da região sul, como Satc, Sesi e Colégio Maximiliano Gaidzinski, também inscreveram equipes, além de instituições da capital e interior do Estado. Deve participar também uma equipe de estudantes da escola Humberto Hoffmann, de Nova Veneza, formada a partir de um projeto de extensão do Câmpus Criciúma realizado em 2017.
A fase estadual da OBR havia sido realizada em Araranguá pela última vez em 2013, no câmpus da UFSC. Nos dois anos seguintes, foi sediada no Câmpus Criciúma do IFSC. Em 2016 e 2017, o evento aconteceu na FURB, em Blumenau, retornando em 2018 para o sul-catarinense.
A competição ocorre na escola Dolvina Leite de Medeiros, a partir das 8 horas, com o credenciamento das equipes. A primeira rodada está marcada para as 9h30min. O evento é aberto a todos os interessados. Mais informações podem ser obtidas no site da competição: http://www.obr.org.br/sc/


11/08/2018 09:01

Casa da Fraternidade apresenta espetáculo de balé

Primeiro dia de espetáculo será amanhã


Nos dias 12 e 13, domingo e segunda-feira, a Casa da Fraternidade irá realizar uma apresentação de balé, no auditório do Center Shopping Araranguá. No domingo, dia 12, a mostra acontece às 17 horas, e será aberta ao público, e na segunda-feira, dia 13, às 15 horas, somente para as escolas. Os ingressos podem ser adquiridos no valor de R$ 10,00, na sede da entidade ou no dia.
De acordo com a coordenadora pedagógica, Rosângela Correia Castilho, a apresentação tem como tema: O Mundo Encantado das Bonecas. “O roteiro foi inspirado no balé Coppelia. Mas, conta uma singela versão onde a personagem principal tem o sonho de dançar com suas bonecas encantadas”, explicou.
Conforme a diretora, Cátia Hahn, o projeto é resultado da Oficina de balé apoiada pela Fundação Catarinense de Cultura, através do Edital Pontos de Cultura. “Deixamos o convite para todos virem conhecer o trabalho que realizamos na Casa da Fraternidade, com nossas crianças e jovens”, disse.
A Casa da Fraternidade é uma entidade assistencial, educacional e cultural, fundada em 1987 pelo Movimento Espírita da Região Sul de Santa Catarina, que vem prestando assistência a qualquer pessoa em situação de vulnerabilidade social. Ao longo de seus 30 anos de existência, já atendeu mais de cinco mil crianças e adolescentes, através de seus programas educacionais, já foi reconhecida e premiada por diversos órgãos como Unicef, Criança Esperança e Ponto de Cultura.
Em torno de 300 crianças participam de diversas atividades socioeducativas promovidas pela casa, como teatro, canto coral, musicalização, violão, balé, dança do ventre, artes visuais, artesanato, informática, capoeira, reforço escolar e valores humanos, além de apoio psicológico, psicopedagógico e sócio familiar de forma inteiramente gratuita.


04/08/2018 10:00

Maracajá Pré-história e Arqueologia

Os livros que nós devemos ler


Nossa região é pródiga em escritores, ou em ser objeto de escritos. Muitas obras são desconhecidas do público, e o Correio do Sul está mostrando em suas edições, desde a semana passada, alguns destes livros, muitos deles bastante antigos, nem por isso menos importantes, outros talvez com pequena repercussão, mas ainda assim merecedores de atenção, como todos os livros, pois quem escreve um livro é porque tem algo a dizer.
Quem tem alguma obra e quer vê-la comentada no jornal, pode encaminhar um resumo ou o próprio livro, se preferir. Muitos, muitos deles ficarão de fora, pois em princípio trataremos daqueles que possuímos em nosso arquivo, mas abertos a ampliar essa publicação.

Maracajá Pré-história e Arqueologia

O projeto que resultou neste livro foi uma iniciativa da prefeitura de Maracajá, através da historiadora Odécia Souza e de Luciane Ronchi Valnier, que entraram em contato com o grupo de arqueologia do curso de história da Unisul de Araranguá. Entre outras coisas, foi feito o cadastramento dos sítios arqueológicos do município.
O livro foi publicado em 2005, com nove capítulos e 199 páginas em que são abordados assuntos como os ocupantes do sul do Brasil no período pré-colonial e o estudo da vegetação local. Artigos também estão entre os textos, tratando de temas como educação e patrimônio cultural.
Na apresentação, Luciane Ronchi Valnier escreve que ”Para a maioria da população de Maracajá, a história do município inicia a partir de 1920, com a construção da estrada de ferro Dona Tereza Cristina e com a chegada das primeiras famílias de origem italiana e açoriana. A ocupação daquele solo, porém, começou muito antes.
O livro é resultado de um trabalho de muitas mãos, organizado por Deise Scunderlick Eloy de Farias.

Trechos do livro Maracajá Pré-história e Arqueologia
Sabemos que várias localidades próximas a Maracajá apresentam evidências de assentamentos dos grupos pré-coloniais, como Araranguá, Içara, Urussanga e Santa Rosa do Sul. No município de Maracajá (…)iniciamos o mapeamento, onde foram identificados 9 sítios líticos, não sendo identificado nenhum sambaqui.

Morro Mãe Luzia- Espigão da Toca
O sítio, localizado em vertente suave, no topo da colina, distando 300 metros de um pequeno córrego, apresenta vestígios líticos confeccionados sobre calcedônia e quartzo de baixa qualidade, além de arenito. Aparentemente, possui média densidade. Mesmo não realizando qualquer intervenção, foi possível visualizar uma pequena estrutura de combustão (fogueira). Pouco preservado, devido ao intenso trabalho agrícola, possui dimensão aproximada de 400 m2.
O proprietário, Sr. Valmir Ciccela informou-nos que no passado, quando aravam o terreno, retiravam dele, com frequência, diversas peças líticas.


01/08/2018 13:00

Creche e ONG do IFA retornam das férias

IFA atende na avenida Capitão Pedro Fernandes, no Centro de Araranguá


As atividades educacionais retornaram com tudo na última segunda-feira, dia 30, na Instituição Futuro Aprendiz (IFA). Mantenedora da CEI Pequeno Aprendiz e da ONG, o IFA retornou à agenda escolar com muita animação.
De acordo com a coordenadora, Eduarda Destro, todos no IFA já estavam com saudades de cuidar dos pequenos. “A férias é importante até mesmo para à família ter um contato maior com seus filhos. Mas aqui na instituição já estávamos morrendo de saudades dos nossos pequenos e da rotina com nossas crianças”, contou.
O IFA atende na avenida Capitão Pedro Fernandes, 1544, no Centro de Araranguá. O horário de funcionamento é das 08 às 18 horas.

Carregar mais

Mapa de Editorias