Emprego

24/04/2017 10:27

Primeiro trimestre apresenta crescimento no número de empregos em SC


O saldo de vagas de emprego geradas em Santa Catarina no acumulado nos três primeiros meses de 2017 supera o resultado do mesmo período do ano passado, aponta relatório do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira, 20, pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Entre janeiro e março deste ano, o saldo foi de 21.504 vagas geradas em SC, contra o resultado de 8.201 vagas no acumulado dos três primeiros meses do ano passado.

Considerando apenas março, no entanto, o resultado foi negativo em SC, com saldo de -4.638 vagas (foram registradas 83.737 admissões e 88.375 desligamentos sobre o estoque de empregos existentes no estado). O desempenho do mês acompanha o cenário nacional. Em todo o país, o saldo de março foi de -63.624 vagas.

Mesmo com o resultado negativo de março, o acumulado do trimestre ficou positivo diante dos bons resultados registrados por Santa Catarina em janeiro (com um saldo de 11.284 novos postos de trabalho) e fevereiro (quanto SC teve o segundo maior saldo do país, com o registro de 14.858 novas vagas no mês).

Especificamente no mês de março, na análise por setores, o resultado negativo em Santa Catarina foi puxado pela agropecuária, que registrou saldo de -3.587 postos de trabalho no mês, seguido do setor de serviços, com registro de -1.521 vagas. O melhor resultado setorial veio da indústria da transformação, com saldo positivo de 1.352 postos de trabalho.

Entre os municípios com mais de 30 mil habitantes, os maiores saldos de empregos gerados no mês de março foram em Joinville (+633), São Bento do Sul (+318) e Criciúma (+305).


17/04/2017 08:00

Tempo de curso técnico vale para aposentadoria

Regra é válida para quem fez o curso até dezembro de 1998 e não tinha carteira assinada


Homens e mulheres que estão em vias de se aposentar ou querem incorporar mais anos de contribuição podem buscar no curso técnico um ganho a mais. Quem fez curso técnico ou aprendizagem industrial pode validar os anos e contar na hora de fechar o cálculo de contribuição previdenciária. A equipe da Secretaria do Colégio Satc está fornecendo a certidão para ex-alunos.

“Já tivemos alguns casos de pessoas que nos procuraram em busca do documento. Ele é importante porque pode ser incorporado à quantidade de anos de contribuição”, ressaltou a secretária do Colégio Satc, Hilda Maria Ghisi. Segundo ela, é fundamental lembrar que são contabilizados os dias letivos que o aluno estudou. É importante não ter trabalhado com carteira assinada naquele período.

A decisão, validada pela Instrução Normativa 77 do INSS (disponível aqui:http://sislex.previdencia.gov.br/paginas/38/inss-pres/2015/77.htm), em seu Art. 76, determina que: “Os períodos de aprendizado profissional realizados até 16 de dezembro de 1998, data da vigência da Emenda Constitucional nº 20, de 1998, serão considerados como tempo de serviço/contribuição independentemente do momento em que o segurado venha a implementar os demais requisitos para a concessão de aposentadoria no RGPS […]”.

A Satc está disponibilizando a certidão, conforme as regras definidas pelo INSS. “Soma-se a quantidade de dias letivos, verificando os períodos de férias que o aluno fez”, informou Hilda.

Para requerer o documento é necessário trazer RG, CPF e a Carteira de Trabalho em que consta a primeira contratação. O horário de atendimento da Secretaria da Satc é das 7h30 às 21h30, sem fechar ao meio-dia, de segunda à sexta-feira. Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail: secretaria@satc.edu.br. O tempo para pesquisa nos arquivos e emissão do documento é de 15 dias úteis.


01/03/2017 22:00

Satc lança programa Jovem Aprendiz

Parceria com empresas da região abre vagas no mercado e qualifica mão de obra


Jovens em busca de uma oportunidade no mercado de trabalho, encontram na Satc uma parceira em 2017. A instituição passa a oferecer capacitação para o Programa Jovem Aprendiz, do Ministério do Trabalho e Emprego (TEM). Serão cinco cursos disponibilizados para estudantes entre 14 e 24 anos, sem custo para o aluno. A intenção é estreitar relações com as empresas, colaborando com o desenvolvimento regional.

“É mais uma forma que a Satc encontra de participar na formação de jovens e na qualificação de mão de obra para o mercado de trabalho. Além disso, o programa fomenta novos postos de trabalho para os nossos alunos”, afirmou o coordenador do setor de Cursos Livres Satc, Roberto Bortolotto.

Para participar, é necessário estar matriculado em alguma entidade de ensino. O jovem terá vínculo empregatício e salário compatível às horas trabalhadas. A carga horária para as funções é acertada entre o candidato, a empresa e a escola. O programa Jovem Aprendiz também ocorre na Satc unidade de Turvo e Orleans.

São 20 vagas em cada um dos cursos oferecidos: Ajustador Mecânico, Alimentador de Linha de Produção, Assistente Administrativo, Eletricista de Instalação Predial e Eletricista de Manutenção Industrial. Informações para jovens e para empresas interessadas na parceria podem ser obtidas no telefone 3431 7509 ou pelo e-mailcursoslivres@satc.edu.br.

O programa

O Jovem Aprendiz é um projeto do Governo Federal em parceria com empresas que desenvolvam programas de aprendizagem visando a capacitação profissional de adolescentes e jovens em todo o país. O percentual exigido situa-se entre 5% a 15% dos trabalhadores em funções que demandem formação profissional, de estabelecimentos que tenham pelo menos sete colaboradores. O contrato de trabalho pode durar até dois anos, sendo combinado entre o jovem, a empresa e a instituição educacional, onde será desenvolvida uma formação teórica e prática.

 


18/02/2017 00:00

Trabalho é o que mais afasta casais brasileiros, segundo pesquisa

No ranking das principais razões de afastamento aparecem também a falta de atenção, problemas financeiros, maior dedicação aos filhos e rotina


O primeiro motivo que pode acabar com a intimidade e atrapalhar a vida a dois é o trabalho. Segundo pesquisa do Instituto do Casal, mais de 40% dos entrevistados apontaram que a maior dedicação à vida profissional que ao casamento é a causa número um para o afastamento conjugal.

Segundo Denise Miranda de Figueiredo, terapeuta de casal e uma das coordenadoras da pesquisa, vivemos uma realidade politica, social e econômica que tem exigido das pessoas um grau de dedicação e comprometimento com o trabalho que tem afetado as relações afetivas.

“Hoje, segundo dados da Organização Mundial do Trabalho (OIT),  mais de 33% dos profissionais que compõem o mercado de trabalho têm uma jornada de mais de 44 horas semanais e 19,1% trabalham mais de 48 horas semanais. Além disso, 87% das mulheres que trabalham fora realizam tarefas domésticas, ou seja, têm a chamada dupla jornada”, explica Denise.

Para Marina Simas de Lima, terapeuta de casal e uma das coordenadoras da pesquisa, não foi surpresa que o trabalho tenha aparecido em primeiro lugar no ranking. “O medo de perder o emprego é legítimo perante o momento atual, basta acompanhar os noticiários para ver os índices de desemprego subindo e empresas fechando. Com isso, as pessoas estão se dedicando ao máximo à profissão e descuidando dos relacionamentos”.

Para Denise, dedicar-se ao trabalho também é uma das formas indiretas de investir no casamento, mas está longe de ser o suficiente para se alcançar uma relação de qualidade. “É comum pensar que depois do casamento as coisas funcionam automaticamente, ou seja, não é preciso mais cuidar, conversar, dar atenção, fazer carinhos ou preocupar-se com o bem-estar do outro. Sabemos que muitos casais caem nessa armadilha, que gera distanciamento e sérios problemas na vida a dois”.

Isso nos traz um desafio: como administrar o tempo para investir nas relações afetivas com qualidade, sem deixar papel profissional de lado?

Segundo as especialistas, tudo na vida precisa ter um equilíbrio. “A vida profissional é uma fonte de realização para muitas pessoas e precisamos respeitar isso. Por outro lado, o casamento também pode ser realizador, mas requer investimentos diários de ambos. O segredo é encontrar um ponto de equilíbrio entre o tempo dedicado ao trabalho, aos filhos e ao relacionamento”.

O Instituto do Casal preparou duas dicas simples, que podem ajudar muito nesse dilema:

  1. Da porta de casa pra fora: Deixe os problemas profissionais na empresa. Lembre-se que no dia seguinte você terá a chance de encontrá-los novamente.
  2. Desligue-se: Evite ler e-mails, responder mensagens ou atender telefonemas do trabalho quando estiver com sua família. Mesmo que você tenha pouco tempo, faça esse período valer à pena, esteja por completo.
Carregar mais

Mapa de Editorias