Política

08/03/2017 08:00

PSDB vai indicar membros para CPI da Previdência


O PSDB irá indicar os membros da CPI da Previdência. Segundo o líder do partido no Senado, Paulo Bauer (SC), o partido não vai trabalhar para obstruir os trabalhos e, desde que haja o mínimo de 27 assinaturas, o partido fará a indicação dos nomes dentro do prazo regimental, que é de 30 dias.

“A Cpi é um instrumento legítimo de funcionamento do Parlamento. Ela existe para produzir investigações para realizar levantamentos e esclarecer a opinião pública sobre assuntos que interessam à sociedade. Nós não vamos fazer nenhum trabalho de objeção se a CPI alcançar o número de assinaturas necessárias. A Presidência do Senado obviamente instalará a CPI com os membros designados pelos partidos”, afirmou o senador catarinense.

A partir da confirmação das assinaturas e da leitura do requerimento de criação da CPI no Plenário do Senado pelo presidente Eunício Oliveira, os líderes partidários terão 30 dias para indicar os membros. Cada CPI é composta por 11 senadores titulares e 11 suplentes e um prazo de funcionamento de 180 dias. O senador Paulo Bauer espera que a CPI, se instalada, faça um trabalho sério trazendo a realidade dos números para a sociedade. Bauer tem certeza que a CPI irá confirmar a necessidade de se fazer a Reforma da Previdência.

“Nós esperamos que, uma vez instalada a CPI, ela se volte para efetivamente informar a sociedade sobre a realidade. E nós não temos dúvidas de que a realidade recomenda que seja feita a Reforma da Previdência em benefício dos aposentados e dos trabalhadores brasileiros”, reforçou o líder do PSDB no Senado.

Paulo Bauer reiterou ainda que a CPI deverá servir como instrumento para mostrar a realidade da Previdência no país, mas não como palanque político com o interesse de desvirtuar os dados.

“Não temos o objetivo de obstruir ou de dificultar os trabalhos desde que a CPI se volte para buscar elementos e informações que nos demonstrem efetivamente a realidade da Previdência que eu tenho certeza que será exatamente igual às informações que nós temos da parte do Poder Executivo”, finalizou o parlamentar do PSDB.

Ainda não há prazo para a instalação da CPI da Previdência no Senado.


23/02/2017 12:00

Vereador pede a lista das 50 empresas mais devedoras de ISS na cidade


O vereador Ademir Honorato (PMDB) apresentou, na segunda Sessão Ordinária do ano realizada na noite de hoje (21/2), requerimento solicitando ao Chefe do Poder Executivo Municipal, a relação das 50 empresas instaladas no município de Criciúma que possuem as maiores dívidas com os cofres públicos referente ao ISS – Imposto Sobre Serviço. Ele pediu ainda para incluir as empresas que discutem judicialmente estes valores devidos. A proposição foi aprovada por unanimidade pelos parlamentares.

 

 

Parlamentar cobra pavimentação de Rua

O vereador Tita Beloli (PMDB) pediu, por meio de requerimento, os motivos de paralisação da pavimentação da Rua Bruno Nicrosini, localizada no Bairro Morro Estevão, bem como o respectivo prazo para conclusão. A proposição foi encaminhada ao Chefe do Poder Executivo, e foi aprovada por unanimidade.

 

 

Lima pede a realização de mutirão de limpeza no Bairro Cidade Mineira Velha

O vereador Salesio Lima (PSD) entrou com requerimento solicitando a possibilidade de realização de um mutirão – em toda extensão da Avenida Progresso, Bairro Cidade Mineira Velha – realizando as seguintes melhorias: Limpeza dos lixos acumulados; roçada dos matos;

limpeza das bocas de lobo; pintura das faixas de pedestres e da pista de rolamento e meio fio;

colocação de lixeiras; colocação de abrigo de ônibus e colocação de lâmpadas para melhor iluminação.

“Tal medida se faz necessária devida essa ser uma área vulnerável e que se encontra em total estado de abandono, visando destacar que a responsabilidade de se manter a avenida limpa é de todos os moradores e usuários da mesma. O trabalho deve ser feito em conjunto, principalmente com a participação da população e que sejam aplicadas as medidas necessárias para que todos tenham consciência da situação alarmante em relação aos casos de dengue e outras doenças”, disse o edil. A proposição foi aprovada por unanimidade.

 

Kaminski anuncia que não é mais líder de governo

O vereador Julio Kaminski (PSDB) anunciou, durante seu discurso na Tribuna, na Sessão de hoje (21/2), que não é mais o líder de governo na Câmara. “Vivemos um momento de resgate de credibilidade, onde as pessoas estão olhando muito e cobrando muitos dos vereadores. A população anseia por um mandato profícuo e deseja que estejamos presentes nas comunidades. Tenho me manifestado sobre custos, propostas realizadas pelo Observatório Social com algumas divergências e concordâncias. Muitas mudanças já começaram a ocorrer. Utilizo esse momento para dizer que é preciso uma Câmara firme, isenta, com oportunidade de fazer desse local um grande parlamento com debate sério, maduro, e que realmente o que o povo está esperando”, enfatizou.

Depois disso, o vereador anunciou que não será mais líder de governo e que o prefeito encaminhará nos próximos dias um novo líder “que irá representá-lo e que fará escolha à altura das suas pretensões”, finalizou.

 


28/12/2016 16:00

Posse dos vereadores, prefeito e vice será no dia 1º de janeiro


Os 15 vereadores eleitos por Araranguá em outubro deste ano serão empossados no cargo no dia 1º de janeiro de 2017, domingo, em solenidade marcada para as 16h, no Teatro Professora Célia Belizária de Souz. Durante o ato, também serão empossados, o prefeito municipal, Mariano Mazzuco Neto e o vice-prefeito Primo 
A cerimônia inicia com a celebração de um culto ecumênico. Em seguida, o vereador mais votado nas Eleições Municipais de 2016, Cristiano da Silva Costa, Tano, proferirá a oratória. Depois será a vez do cerimonial de juramento dos eleitos, sempre seguindo os preceitos estabelecidos pelo Regimento do Parlamento. Os vereadores serão os primeiros a assinarem o termo de posse. Na sequência será a vez de prefeito e vice-prefeito eleitos fazerem o juramento e assinarem o termo de posse.

Encerrada a solenidade no Teatro Célia Belizária de Souza, os legisladores se encaminharão para a Câmara Municipal, no bairro Urussanguinha, onde ocorrerá a eleição que vai definir os integrantes da nova Mesa Diretora para o biênio 2017-2018.
A votação será realizada em forma nominal e aberta. Em seguida ocorre a apuração do resultado. Ao lado do presidente eleito, o primeiro vice-presidente, segundo vice-presidente, primeiro secretário e segundo secretário, assumem o comando da Câmara Municipal nos próximos dois anos.

 


06/12/2016 04:00

96% acreditam que Lava Jato deve seguir, mesmo que haja instabilidade

Partido mais associado à operação é o PT, com 66% de menções; o segundo é o PMDB, com 7%


A operação Lava Jato tem forte apoio da população brasileira, revela nova pesquisa da Ipsos. De acordo com a edição mais recente do Pulso Brasil, realizado entre 1 e 13 de novembro, 96% dos brasileiros acreditam que as investigações “devem ir até o fim, custe o que custar”. A taxa de apoio é a mais alta desde janeiro de 2016, mês da primeira pesquisa de Ipsos sobre as investigações. Naquele mês, 90% dos entrevistados declararam que a Lava Jato deveria ter continuidade, independente das consequências.

O levantamento, feito em 72 cidades brasileiras com 1.200 entrevistas presenciais, mostra que, para nove em cada dez entrevistados, a Lava Jato deve seguir, mesmo que isso signifique instabilidades na economia e no cenário político brasileiro. Essa é a taxa mais alta desde janeiro. Naquele mês, 81% dos pesquisados acreditavam que a operação deveria seguir, mesmo com riscos de instabilidade política, e 79% declararam que a Lava Jato deveria continuar, mesmo com impacto na estabilidade econômica. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Para 94% das pessoas ouvidas, a operação deve seguir, mesmo com o impeachment da ex-presidente, Dilma Rousseff, e com a prisão do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. O mesmo percentual acredita que ainda restam muitos nomes a serem investigados pela Lava Jato.

“A Lava Jato tem forte simbologia junto à opinião pública, que acredita que as investigações podem transformar o Brasil em um país sério”, afirma Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos Public Affairs e responsável pelo Pulso Brasil. “Por isso, as manifestações populares, sejam por meio de panelaços, sejam por meio das redes sociais ou até mesmo tomando as ruas, devem ganhar força caso a população entenda que o governo ou a classe política estejam tentando barrar as investigações,” avalia o pesquisador.

De acordo com a pesquisa, o partido mais associado à operação é o PT, com 66% de concordância das pessoas ouvidas. O segundo mais citado é o PMDB, porém somente 7% associam o partido à operação, seguido pelo PSDB, com 3% das menções. Um quinto dos entrevistados (19%) não soube responder e 5% preferiram não se posicionar.

O levantamento questionou os entrevistados para saber se a Lava Jato está investigando todos os partidos. Um quarto das pessoas ouvidas discordaram dessa afirmação, contra 64% que responderam afirmativamente. Já quando perguntados se a operação deveria investigar todos os partidos, o percentual de concordância foi bem maior: 94% disseram que sim, contra 2% que discordaram.

Delações

Com a assinatura dos acordos de delação premiada de executivos da Odebrecht com o Ministério Público Federal, a pesquisa questionou o quanto a população acredita que os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e o atual presidente e Michel Temer poderiam ter seus nomes envolvidos. 83% dos pesquisados acreditam que Lula será mencionado. Outros 66% acreditam que Dilma Rousseff será citada, enquanto 54% das pessoas ouvidas acreditam que o atual presidente Michel Temer estará presente na delação.

Quando questionados especificamente se acreditam na participação de Lula em casos de corrupção, 84% disseram que sim. Já quando questionados se acreditavam que o ex-presidente chegaria a ser preso por causa das investigações, mais da metade (51%) disse que não, contra 47% que disseram acreditar nesse desfecho.

“Este exercício do estudo visava entender o quanto a opinião pública associa o nome de Michel Temer às investigações em comparação aos dois últimos presidentes da República. Além disso, cabe destacar que, para 95% da população, as investigações da Lava Jato deveriam continuar mesmo que Lula seja julgado culpado, o que traduz o sentimento geral de passar a estrutura política à limpo, independentemente de nomes ou partidos”, afirma Cersosimo.

Sobre a Ipsos
A Ipsos é uma empresa independente global na área de pesquisa de mercado presente em 88 países. A companhia tem mais de 5 mil clientes e ocupa a terceira posição na indústria de pesquisa. Maior empresa de pesquisa eleitoral do mundo, a Ipsos atua ainda nas áreas de publicidade, fidelização de clientes, marketing, mídia, opinião pública e coleta de dados. Os pesquisadores da Ipsos avaliam o potencial do mercado e interpretam as tendências. Desenvolvem e constroem marcas, ajudam os clientes a construírem relacionamento de longo prazo com seus parceiros, testam publicidade e analisam audiência, medem a opinião pública ao redor do mundo. Para mais informações, acesse: www.ipsos.com.br,www.ipsos.com,https://youtu.be/QpajPPwN4oE,https://youtu.be/EWda5jAElZ0 e   https://youtu.be/2KgINZxhTAU.

Carregar mais

Mapa de Editorias