Segurança

03/04/2018 18:00

Cras e SCFV promovem Oficina de Chocolates


A páscoa é uma data adorada pelas crianças e pelos adolescentes, que esperam ansiosos pelo coelho e os ovos de chocolate. E para que tudo tenha um sentido, a equipe Técnica do Centro de referência de Assistência Social- Cras, juntamente com a Equipe do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV desenvolveram o Projeto Páscoa, afim de que as crianças e adolescentes conhecessem o verdadeiro significado da páscoa, seus símbolos, brincadeiras, arte e culinária.

“Observar o brilho nos olhos de cada criança ao aprender como transformar uma simples barra de chocolate em algo tão diferente, saboroso e bonito, foi muito gratificante. Sabemos que não se trata apenas de distribuir chocolate, mas oportunizar um momento de interação e alegria para os usuários” relatou a coordenadora do Cras e psicóloga Adrieli Scarpato Magagnin

Para a assistente social, Viviane Brovedan Castanha, a celebração da Páscoa foi trabalhada de uma forma lúdica, buscando estimular entre as crianças e adolescentes assistidos, os sentimentos de paz, união e respeito ao próximo.  “Além do objetivo de ensinar aos participantes a confeccionar dos ovos de páscoa, as atividades tiveram, sobretudo, a finalidade de levar às crianças e adolescentes a percepção de que tudo na vida pode e deve ser construído com esforço e dedicação”, finalizou.


23/03/2018 16:18

‘Prato Frio’ continua prendendo suspeitos


A Operação Prato Frio, deflagrada nesta quinta-feira em Sombrio e Balneário Gaivota pela Polícia Civil de Sombrio em parceria com outras regionais da região sul do estado, continua ainda nesta sexta-feira. Totalizando 27 presos, mais um membro da organização criminosa PGC (Primeiro Grupo Catarinense), alvo da operação, foi preso hoje em Balneário Arroio do Silva pela Polícia da cidade, com apoio da CPP de Araranguá.

Apesar de terem menor mobilização, a Polícia Civil declarou que ‘”ainda estamos nas ruas buscando novas prisões”.


23/03/2018 10:00

Operação desmonta PGC no Sul


A população de Sombrio e Balneário Gaivota acordou com uma grande movimentação policial na manhã desta quinta-feira. Policiais Civis das regionais de Araranguá, Criciúma e Tubarão, incluindo a equipe do Serviço Aéreo (Saer), além de policiais militares de Sombrio, desencadearam a partir das 4 horas da manhã de ontem, uma grande operação policial.

Após um ano de colheita de provas e investigação, a Operação Prato Frio, coordenada pelo delegado Luís Otávio Pohlmann da delegacia de Polícia Civil de Sombrio, foi deflagrada com intuito de cumprir 73 mandados de busca e apreensão e de prisão na região Sul.

Segundo o delegado, a investigação apurou crimes de tráfico de drogas e associação criminosa de grupos de todo o Estado de Santa Catarina, com raízes na região Sul. “A organização investigada é o Primeiro Grupo Catarinense(PGC), responsável por ataques ocorridos em delegacias e postos da polícia da região acontecidos em setembro de 2017, além também de ataques ao Presídio Regional de Araranguá e a casa de policial militar em Praia Grande”, declarou.

Ainda segundo a polícia, o PGC era muito bem articulado, responsável por assaltos, roubos, furtos, subsidiando membros com dinheiro da organização. Havia também eventos, rifas, festas, tudo feito visando arrecadar dinheiro destinado à organização criminosa. O PGC mantinha, até, uma casa de tamanho considerável próxima ao presídio para que os associados e famílias pudessem ir visitar os detentos, como se fosse um local de apoio. Foi descoberto que a facção, ainda, está vinculada ao Comando Vermelho (organização do Rio de Janeiro) e Família do Norte (outra organização, mas do Norte do país), unidas para combater o PCC (Primeiro Comando da Capital), facção criminosa de São Paulo. Ainda de acordo com as investigações, o grupo era bem organizado e disciplinado, com responsabilidade sobre questões de caixa e coordenação.

O delegado Luís Otávio celebrou o resultado da Prato Frio. “É um êxito, a operação é um sucesso”, completou.


18/03/2018 18:00

Falsa promoção de páscoa visa roubar dados financeiros de usuários no WhatsApp


Algumas festividades são verdadeiros espetáculos comerciais, como é o caso da Páscoa, que movimenta o mercado e traz grandes ganhos para os lojistas. E com a proximidade da data comemorativa, aumentam também os golpes a ela relacionados.

É o caso de um falso voucher promocional que está sendo repassado pelo WhatsApp, prometendo vale-presentes de até R$ 800 que, infelizmente, não são reais. O anúncio, para gerar mais credibilidade, leva o usuário até uma página com perguntas como “O que simboliza o coelho da Páscoa?” e “Que país festeja a Páscoa com guerras de ovos ao invés de ovos de chocolates?” e, independentemente das respostas fornecidas, o usuário deve aceitar autorizar o recebimento de notificações no seu celular para receber o suposto prêmio.

Mensagem que chega no WhatsApp divulgando a falsa oferta (Imagem: DFNDR Lab)
Mensagem que chega no WhatsApp divulgando a falsa oferta (Imagem: DFNDR Lab)

Foto: Canaltech

De acordo com Emílio Simoni, diretor do DFNDR Lab, laboratório especializado em cibercrime, “tanto a URL que está circulando pelo aplicativo de mensagens quanto os falsos e-commerces têm como objetivo roubar dados pessoais e financeiros para depois utilizá-los em outros golpes, como inscrição em serviços pagos de SMS e compras nos cartões de crédito das vítimas”, então todo cuidado é pouco.

Ao clicar no link, o usuário é redirecionado para esta página (Imagem: DFNDR Lab)
Ao clicar no link, o usuário é redirecionado para esta página (Imagem: DFNDR Lab)

Foto: Canaltech

Carregar mais

Mapa de Editorias