Trânsito

21/03/2018 18:00

Obras no Acesso Norte devem começar em abril


As obras de repavimentação da Rodovia Prefeito Adilton de Medeiros, o conhecido ‘Acesso Norte’ de Maracajá a BR-101 e da rua Pedro Rocha, devem começar no decorrer do mês de abril. O Departamento de Licitações da administração municipal publicou Edital de Aviso de Pregão Presencial para aquisição de pedra britada para utilização nas obras.

O fornecimento deste material, até o limite de R$250 mil, é a contrapartida da administração municipal para realização das obras nas duas vias, utilizadas pelas empresas para extração de pedras do Morro Maracajá. O edital publicado prevê a data de abertura das propostas dos fornecedores para 14h30min de 28 de março.

Conforme o prefeito Arlindo Rocha o fornecimento deste material é a contrapartida da administração para realização das obras, estimadas em cerca de R$ 3 milhões. Os serviços serão executados por conta das empresas que exploram o Morro Maracajá, fruto de um termo de ajustamento de conduta firmado no final de janeiro deste ano.

Os entendimentos foram iniciados no primeiro semestre de 2017 e passou pela paralisação da atividade de mineração pela falta de acordo. A administração municipal de Maracajá não liberou alvará de funcionamento anual às empresas em virtude dos danos ao patrimônio público, em especial à rua Pedro Rocha e Rodovia Adilton de Medeiros, sem ressarcimentos.

Em janeiro deste ano as mineradoras de basalto do Morro Maracajá aceitaram as condições impostas pela administração para liberação do alvará: repavimentação das duas vias, fornecimento de 400 toneladas ao mês de pedra britada para utilização pela administração em vias não pavimentadas e formação de fundo com 0,75% da receita mensal das empresas para recuperação ambiental de áreas exauridas e doação destas áreas ao patrimônio municipal.


14/03/2018 12:00

Dnit visita local de queixa na 101


Um engenheiro do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) esteve na manhã desta terça-feira em Sombrio, para verificar as reclamações ainda resultantes das obras de duplicação da BR 101. Depois de ouvir engenheiros e secretários da prefeitura, ele foi levado até o trecho onde existe a maior reivindicação da comunidade por mudança.

Cerca de 15 famílias moradoras das margens da rodovia, em uma área conhecida como Corte, entre os bairros São Camilo e Jaguarari, ficaram sem acesso direto a estrada, pois um trecho de aproximadamente 50 metros da via marginal fica na contramão para elas, no sentido sul-norte.

Um dos moradores, Antônio Vieira, diz que, assim como os vizinhos, quando vai buscar uma criança na creche localizada em Jaguarari, é preciso depois seguir até a localidade seguinte, Glorinha, onde tem um retorno. Em seguida é necessário voltar até Sombrio e só então ir para casa sem cometer infração.

O vereador Nego Gomes acompanhou a visita do engenheiro com preocupação. Ele conhece bem os problemas até hoje não resolvidos em virtude da duplicação, e em agosto do ano passado, como presidente da Câmara, organizou uma audiência pública justamente para discuti-los. “Muitos moradores foram prejudicados, e não desistimos de tentar resolver estas situações”, disse Nego. Também estavam na vistoria os vereadores Edson da Rosa, Daniel Bitencourt, Carlos Gomes e Adenir Duarte, o Janga.

O prefeito Zênio Cardoso disse que tenta conseguir a realização de algumas obras antes da privatização da rodovia. “Por que outras já sabemos, enviamos uma lista ao Dnit, que só com o pedágio. Pedimos que incluam estas obras mais caras no plano de pedágio”. Ele estava acompanhado ainda do engenheiro civil da prefeitura Renato Bristot, e dos secretários municipais Ronaldo Dal Pont (Planejamento) e Paulo Humberto (Obras).

O representante do Dnit disse não ter autorização para adiantar qualquer informação sobre os pedidos.

 


14/03/2018 07:00

Empresa mostra estudo do rotativo


A discussão sobre a implantação do estacionamento rotativo em Sombrio, ganhou mais um capítulo nesta terça-feira. Pela manhã, a empresa responsável pelo estudo técnico de viabilidade do negócio, apresentou o resultado coletado até agora. O levantamento foi feito entre dezembro de 2017 e janeiro deste ano, com análise da legislação, da movimentação das ruas e durante três dias, com a observação direta do estacionamento na cidade.

O estudo se deteve a área central, incluindo as três principais avenidas (Nereu Ramos, Getúlio Vargas e Antônio Sant´Helena) as ruas Caetano Lummertz, João José Gimarães, Padre João Reitz e Luiz Inácio da Rosa.

No trabalho de campo, a empresa fez a contagem das vagas existentes, e monitorou como elas são usadas, entre o período das 8 às 18  horas,a cada 60 minutos. Um dos objetivos era perceber quantos carros em média permanecem no mesmo lugar por mais de duas horas, tempo máximo permitido no rotativo. Como exemplo, foi citada a rua Caetano Lummertz, que tem 98 vagas para estacionar, e em 53 houve rodízio de veículos. “Verificamos vários casos em que a vaga foi usada o dia todo pelo mesmo motorista. Isto é antidemocrático”, disse um dos técnicos.

Cada vaga deve utilizar cinco metros e no total foram contabilizadas 797. Algumas precisam ser excluídas do sistema de rotativo, como 5% destinadas a idosos, 2% a pessoas com necessidades especiais, além de outras exigências, como para veículos oficiais (viaturas de polícia, bombeiros e afins). No fim sobram 718 vagas que podem ser tarifadas. Deste cálculo não faz parte um trecho da avenida Getúlio Vargas em frente ao Supermercado Giassi, aonde estão vários estabelecimentos comerciais, como a loja Mattric Kids.

A necessidade de organizar o modo como os veículos vão circular e parar no trânsito foi comprovada pelo dado de que a frota de Sombrio aumentou dez mil em dez anos, passando de 11 mil veículos em 2007 para 21 mil em 2017. “Agora vem a segunda etapa do processo, e por enquanto não discutimos valores a serem cobrados dos motoristas”, afirmou o secretário de Planejamento, Ronaldo Dal Pont.

O prefeito Zênio Cardoso lembrou que a implantação do rotativo exige uma série de medidas anteriores, que estão sendo tomadas, uma delas é a criação do Departamento Municipal de Trânsito. “Essa demora também me angustiava muito, mas não é simples como se pensava. Agora faremos pequenos ajustes, como aproveitar os espaços onde não cabe um carro para destinar as motos. Estamos caminhando passo a passo para fazer a coisa certa, até chegar ao edital de licitação para escolher uma empresa que vai fazer este serviço. Organizar o trânsito é uma grande necessidade de Sombrio”, analisou.

O presidente da Câmara Fabiano Pinho e outros vereadores também assistiram a apresentação.

 


09/03/2018 06:02

Placas do Mercosul começam a valer em 1º de setembro


O prazo para as placas de veículos adotarem o padrão dos países do Mercosul vai começar em 1º de setembro de 2018, informa resolução publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União.

Na quarta-feira, o Ministério das Cidades havia divulgado que a nova placa brasileira teria 6 meses para entrar em vigor.

A placa com novo padrão já é usada na Argentina e deveria ter começado a ser adotada no Brasil em janeiro de 2016, mas foi adiada duas vezes: primeiro para 2017 e, depois, sem prazo específico.

A nova placa será válida para modelos zero quilômetro, veículos que passarem por processo de transferência de município ou propriedade, ou quando houver a necessidade de substituição das placas. Os veículos usados terão até 31 de dezembro de 2023 para mudar.

Veja perguntas e respostas sobre a nova placa de identificação para veículos:

Quando começa a valer a nova placa?

  • 1ª etapa começa em 1º de setembro de 2018;
  • Será válida para modelos zero quilômetro, veículos que passarem por processo de transferência de município ou propriedade, ou quando houver a necessidade de substituição das placas;
  • Os veículos usados terão até 31 de dezembro de 2023 para mudar.

Comprei carro agora, ele já terá a placa do Mercosul?

Ainda não. Os departamentos de trânsito de cada estado terão até 1º de setembro de 2018 para começar a emplacar com o padrão Mercosul.

Qual será o preço?

Ainda não existe uma definição de quais serão os valores de novas placas, que serão pagas pelos proprietários dos veículos, como é atualmente.

O prazo para as placas de veículos adotarem o padrão dos países do Mercosul vai começar em 1º de setembro de 2018, informa resolução publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial da União.

Na quarta-feira, o Ministério das Cidades havia divulgado que a nova placa brasileira teria 6 meses para entrar em vigor.

A placa com novo padrão já é usada na Argentina e deveria ter começado a ser adotada no Brasil em janeiro de 2016, mas foi adiada duas vezes: primeiro para 2017 e, depois, sem prazo específico.

A nova placa será válida para modelos zero quilômetro, veículos que passarem por processo de transferência de município ou propriedade, ou quando houver a necessidade de substituição das placas. Os veículos usados terão até 31 de dezembro de 2023 para mudar.

Carregar mais

Mapa de Editorias