Especial     13 de novembro de 2017 18:00
Autor: Marivânia Farias
Balneário Gaivota

Jipeiros fazem ação para ajudar menino


O Jeep Clube Caranguejos da Areia realizou no sábado mais uma ação social. Uma trilha noturna seguida de jantar serviu para arrecadar recursos para auxiliar a família de Alisson Vieira Pereira. O menino de quatro anos nasceu com forte estrabismo, paralisia em um dos olhos, grave anemia e outros problemas de saúde. Segundo os pais, Cíntia e Ricardo Heme Pereira, a correção da deficiência visual precisa ser feita até os nove anos de idade da criança. A cirurgia e tratamento, porém, não são cobertos pelo SUS, e o custo de R$ 5 mil por olho, mais despesas de exames, viagem e permanência no hospital, é elevado para o casal bastante humilde que mora na localidade de Palmeira, em Balneário Gaivota. “Ele tá bastante atrapalhado pra enxergar, e queremos operar pelo menos a vista esquerda, que é a pior”, diz Ricardo.

A família já estava fazendo uma rifa para conseguir dinheiro, quando recebeu o apoio dos proprietários da Fazenda Caverá e dos jipeiros. O presidente dos Caranguejos, Fernando Parol, explica que foram inscritos 50 jipes, ao custo de R$ 100,00 cada um, reunindo cerca de 150 pessoas, pois a maioria dos participantes estava acompanhada. Eles ainda pagaram em separado o jantar e as bebidas. “Algumas pessoas não podiam vir, mesmo assim pagaram a inscrição, para colaborar. Vamos atingir a meta”, disse o presidente, que contou com ajuda na organização de Diego Cardoso, Tiago Nuremberg e João Batista Scheffer, membros da diretoria do clube. Os quatro agradeceram com entusiasmo a todos que colaboraram com o evento beneficente.

 

 

Rede de apoio

 

A ação formou uma rede de solidariedade entre três comunidades vizinhas, Palmeira, Lagoinha e Figueirinha, onde foi feito o jantar na madrugada de sábado para domingo. Os alimentos servidos na chegada do passeio noturno foram doados, e a bebida vendida também era para a causa de Alisson. A avó dele, Jadna Amaral, estava desde cedo trabalhando na festa, animada pela possibilidade de todo o valor necessário para ajudar o neto, ser alcançado. “Se minha filha e o marido tivessem condições, já teriam operado o menino, porque ele pode até ficar cego”, disse Jadna. Rosilene de Castilhos, o marido e a filha, chegaram ao salão da Figueirinha, de onde os jipeiros saíram e horas depois retornaram, às 9 horas, para começar a fazer a comida que seria servida à noite. Ela é apenas conhecida de Ricardo e Cíntia, pais do menino, e foi colaborar por solidariedade a quem precisa.

O Jeep Clube já fez este ano ações que beneficiaram o Lar do Idoso São José, escolas e creches que receberam brinquedos no Dia das Crianças, e outras, e antes de encerrar o ano ainda pode fazer novos atos de solidariedade.

Relacionados

Especial

A vida de quem faz acontecer

Três lindas histórias de vida

Especial

Casa da Memória ficará aberta até domingo

Casa funciona em Santa Rosa do Sul

Especial

Cida Colombo deixa legado de esperança, otimismo...

Ex-vereadora de Balneário Gaivota faleceu ontem

Mapa de Editorias