Polícia     20 de Abril de 2017 08:13
Autor: Gislaine Fontoura
Araranguá

Livre da doença: Presídio Regional não tem casos de tuberculose

Reportagem visitou a unidade e sala de saúde foi totalmente reformada, enfermeiro responsável pelo setor participou capacitação para identificação, controle e tratamento de tuberculose na última semana. Demais profissionais de saúde do PRA estão participando de um curso sobre a vigilância sanitária no sistema prisional


O Jornal Correio do Sul publicou na página 11, da edição de terça-feira, dia 18, uma reportagem sobre o Presídio Regional de Araranguá (PRA), com denúncias feitas por um funcionário, sobre uma série de problemas ocasionados pela super lotação. Dentre as denúncias, estava a de risco de tuberculose, que foi veementemente rechaçada pelo enfermeiro responsável pelo setor de saúde do PRA, Jean Assunção.
Na manhã desta quarta-feira, a reportagem foi ao presídio e verificou como funciona o atendimento: assim que o recluso ingressa na prisão, é feito o acolhimento pelo setor de enfermagem, psicologia e assistência social, que identifica os problemas e queixas relacionadas à saúde, família e situação social do detento. Dependendo da avaliação, o preso é encaminhado à especialidade necessária. Não existe preso com tuberculose ativa (com risco de transmissão) dentro do PRA, dois estão realizando o tratamento e não transmitem mais a doença, informação confirmada com uma funcionária do Serviço de Atendimento Especializado (SAE) do município de Araranguá. Todo detento que apresenta tosse com escarro é imediatamente submetido a exame. Além disso, o preso que apresentar quadro de tosse seca por duas semanas é encaminhado para raio-x de tórax.
Segundo o enfermeiro do PRA, o último caso de tuberculose ativa aconteceu em dezembro do ano passado, o preso foi isolado e após liberação do médico infectologista do SAE foi liberado para o convívio com os outros internos. Todo o tratamento do detento com tuberculose é acompanhado diariamente pelo setor de saúde do PRA e o infectado só é liberado para o convívio com outros presos, após a comprovação, por exames, de que ele não transmite mais a doença. A liberação é sempre feita por médico infectologista. Na última semana foram enviados exames de escarro de cinco presos para o SAE e na tarde de desta quarta-feira, a enfermeira responsável pelo serviço informou que todos deram negativo para tuberculose.
O enfermeiro responsável pelo setor de saúde do PRA participou, na última semana, de uma capacitação específica para identificação e tratamento da tuberculose, realizada pela Secretaria de Saúde de Araranguá e disseminou o conhecimento para sua colega, enfermeira. Ainda, todos os profissionais do setor de saúde do Presídio Regional estão participando de um curso, promovido pela Vigilância Sanitária Estadual, sobre a vigilância sanitária no sistema prisional.
Adelaide Colodel, psicóloga do PRA, assevera que o atendimento de saúde dentro da unidade é diário, conforme solicitação do recluso, ou conforme acompanhamento de tratamento, como medicação ou curativo. Além disso, quando o preso, que está passando por acompanhamento psicológico e de saúde sai da unidade, os profissionais do PRA entram em contato com a Secretaria de Saúde do município de origem do detento que está ganhando a liberdade e comunicam sobre o tratamento, para que possa ser dada continuidade a ele fora do presídio.
A diretora do PRA, Bárbara Santos de Souza, informou que a sala de saúde do presídio havia sido interditada no primeiro semestre de 2016 e foi liberada na última inspeção. A Vigilância Sanitária visita periodicamente o presídio, normalmente de três em três meses, a última vez que esteve na unidade foi no dia 17 de março e elaborou um documento, que a reportagem teve acesso, atestando que o serviço de saúde do PRA está em boas condições de organização, estrutura física, limpeza e organização, equipado na medida do possível, no entanto a unidade teria que comportar um serviço maior. Conforme o documento da Vigilância Sanitária, ainda falta no PRA sala odontológica e de farmácia. A equipe de saúde é composta por uma assistente social, um médico clínico, dois enfermeiros e duas psicólogas. A reportagem, durante a manhã passada no Presídio Regional, visitou a nova sala de saúde, que possui novos equipamentos e espaço visivelmente reformado, limpo e claro. O médico estava atendendo os detentos, como faz uma vez por semana no presídio.

Superlotação

O documento da Vigilância Sanitária foi bastante favorável ao setor de saúde do PRA, no entanto, confirmou a denúncia de superlotação. Conforme o relatório, muitos presos dormem no chão, em colchões em péssimo estado de conservação e limpeza e o pátio de sol é subdimensionado, em face da superlotação encontrada. A diretora Bárbara afirmou que os colchões são trocados de 6 em 6 meses,mas reconhece a superlotação. Conforme a diretora, a capacidade autorizada pelo Poder Judiciário é de 244 presos e atualmente o PRA tem cerca de 340.
A respeito da informação de que os presos ficam até dez dias na cela de triagem, o chefe de segurança, Eder Dias, relatou ser verídica, porém, afirmou que os presos podem sim tomar banho na própria cela e ao chegar recebem o kit de higiene.
A informação que a reportagem recebeu sobre o Departamento de Administração Prisional (Deap) não buscar mais os reclusos no presídio de Araranguá, para transferir a outras unidades do Estado, devido à interdição, não foi negada pela direção do presídio.
Sobre a conservação do prédio, é notório que é um prédio antigo, de 1990, que recebe constante manutenção. Segundo Bárbara, desde que ela assumiu a direção do PRA, ele já passou por reforma no setor de saúde, na ala de dependentes químicos e na galeria B (para presos da custódia, que o Deap deveria remover em três dias, conforme de determinação judicial). Na galeria B, atualmente estão 37 presos, onde deveria ter 20. Outra reforma feita foi a da passarela da guarita, há alguns meses.

Nova unidade

De acordo com a Assessoria de Imprensa, da Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania (SJC), não existe previsão para o início das obras de construção do novo prédio do presídio. Conforme a assessoria, o terreno já foi adquirido pelo Estado, agora cabe à SJC abrir processo de licitação, para elaboração de projetos técnicos (fundação, drenagem, estrutural, terraplanagem, arquitetônico, elétrico e hidráulico) do PRA, no entanto, por questões técnicas e administrativas, a secretaria ainda não tem data para abrir a licitação dos projetos técnicos. Somente após a conclusão dessa etapa, é que poderá ser lançado edital de licitação para contratação da empresa responsável pela construção .
Segundo a assessoria, o novo presídio seguirá os padrões exigidos pela Lei de Execuções Penais (LEP) com parlatórios, salas para visita íntima, solário, área administrativa, ambiente de ensino e trabalho, consultório médico e odontológico, lavanderia, estação de tratamento de esgoto, tudo de acordo com as normas de acessibilidade de Portadores de Necessidades Especiais (PNE). São 300 novas vagas com investimento total do estado de aproximadamente R$15 milhões, com recursos do Pacto Por Santa Catarina.
Também não existe previsão para contratação de novos agentes penitenciários.

Relacionados

Polícia

Balanço 2017: 1ªDPCo-Araranguá se destaca em...

Em 2017, mais de 5 mil Boletins de Ocorrência chegaram na delegacia,...

Polícia

DIC prende mais um traficante

Comerciante do bairro Mato Alto vendia droga em bar

Polícia

Acidente de trabalho deixa homem parcialmente...

Incidente ocorreu com um funcionário da Prefeitura de Araranguá, na...

Polícia

Acidente entre moto e Kombi deixa três feridos

Motociclista sofreu lesões graves

Mapa de Editorias