Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Sant' Helena Coelho é bacharel em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Também é bacharel em Psicologia e bacharel em Ciências Políticas. Tem MBA em Jornalismo Digital e em Administração e Marketing. Em 1990 fundou o Jornal Correio do Sul, assim como foi um dos fundadores da Rádio 93 FM em 2010. Atua também como produtor cultural e escritor.

18/06/2018 19:42

Rolando Christian Coelho, 19/06/2018

Governador abriu mão de disputar à reeleição e irá apoiar o deputado federal Mauro Mariani, com quem rivalizava internamente.


Moreira não concorrerá e decepciona o MDB do Sul / /

Estava tudo encaminhado para que o governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) concorresse à reeleição. Depois de 24 anos na fila por uma chance real, finalmente era chegada a hora de Moreira fazer valer as condições políticas que construiu, para disputar a governadoria catarinense. O emedebista, no entanto, refutou esta possibilidade e manifestou, ontem, apoio incondicional à candidatura a governador do deputado federal Mauro Mariani (MDB), que representa a região Norte do Estado.
A frustração do MDB do Sul não poderia ser maior, até porque as lideranças do partido em nossa mesorregião foram instigadas a se manter mobilizadas com vistas à disputa deste ano. Tudo levava a crer que Moreira, de fato, iria bancar sua candidatura, o que, mais uma vez, acabou não acontecendo. Foi assim em 1994, quando ele abriu mão para Paulo Afonso Vieira (MDB), assim como em 2010, quando venceu as prévias do MDB, numa disputa contra Dário Berger, mas acabou apoiando a candidatura de Raimundo Colombo (PSD) ao governo.
Neste ano as coisas pareciam ser diferentes. Eduardo é efetivamente governador do Estado. Tem a caneta na mão, o que viabilizaria seu projeto. A fora isto, tem muito mais condições de trazer o PSDB para compor como seu vice do que Mauro Mariani. Em que pese suas vantagens no processo de escolha interna de seu partido, ele preferiu manifestar apoio a seu adversário, alegando incompatibilidade entre a condição de candidato e a de governador.
A decisão de Moreira praticamente sepulta, também, qualquer pretensão sua de algum dia ser eleito governador de Santa Catarina. Concorrendo ao governo em 2018, Mauro Mariani acaba assegurando para si a condição de uma nova candidatura em 2022, ganhando ou perdendo o pleito deste ano. Paralelo a isto, o eixo do MDB no Estado ficará desequilibrado. A partir de agora, ao contrário dos últimos 20 anos, a região Sul perderá muito de sua força dentro do MDB estadual.

Notas

Depois de ter lutado por vários anos contra uma grave enfermidade, faleceu ontem, aos 60 anos, a ex-presidenta da Câmara Municipal de Vereadores de Balneário Gaivota, Maria Aparecida Martins Colombo, a Cida Colombo (MDB). Enquanto vereadora, ela cumpriu dois mandatos, entre 2005 e 2012. Cida era esposa do ex-vereador sombriense Flávio Colombo (MDB).

Tudo se encaminha para que Araranguá tenha cinco candidatos a deputado estadual este ano. Além da já tradicional candidatura de Manoel Mota (MDB), estão encaminhadas as candidaturas de Rodrigo Turatti (PSL), Sayonara Pessoa de Araujo (PT), Aldo Apolinário (Podemos) e Evandro Scaine (PSD), que é de Arroio do Silva, mas terá seu maior colégio eleitoral na Cidade das Avenidas. Como já era de se esperar, as expectativas de votos de cada um, se somadas, supera em muito a quantidade de eleitores do município.

Secretário Executivo da Agência de Desenvolvimento Regional, Heriberto Afonso Schmidt, afirmou que governador Eduardo Moreira deverá cumprir roteiro aqui no Extremo Sul daqui a duas semanas. Como a agenda ainda não está definida, o nome dos municípios e a data exata não foram divulgados. Em princípio, sabe-se apenas que ele virá a São João do Sul.

Ex-presidente da Câmara Municipal de Araranguá, Rony da Silva, foi salvo pelo gongo. Ele tem atuado ao lado do deputado estadual Carlos Chiodini (MDB), que nutre a expectativa de ser candidato a federal no lugar de Mauro Mariani. Caso Mariani não conseguisse se encaixar na majoritária neste ano, voltaria a disputar a Câmara Federal, e Chiodini novamente disputaria a Assembleia Legislativa. Rony, no entanto, almeja trabalhar para Chiodini a federal e para Manoel Mota (MDB), que é seu padrinho político, a estadual. Com Mariani disputando o governo, tudo se resolveu.

Charge


18/06/2018 08:56

Rolando Christian Coelho, 18/06/2018

Ex-governador quer que seu partido realize convenção estadual no dia 20 de julho, ocasião em que pretende se lançar candidato ao governo.


Amin pressiona PP e quer prévias para decidir 2018

O que já era sabido agora está se tornando oficial. Deputado federal Esperidião Amin (PP) pretende disputar mesmo o Governo do Estado neste ano. Amin vinha deixando um rastro de provas quanto a sua intensão. No ano passado se manifestou contra o ingresso do PP na gestão de Raimundo Colombo (PP). Sempre reticente, subiu algumas vezes no palanque com o PSD, nos últimos tempos, meramente para cumprir tabela. Sua última atitude rebelde foi não ter
comparecido ao lançamento da pré-candidatura de Gelson Merisio (PSD) ao Governo do Estado, em Chapecó, alegando compromissos familiares.

Ato seguinte ao lançamento de Merísio, o presidente do PP criciumense, Itamar Silva, que é amigo pessoal de Amin, o lançou pré-candidato ao governo, em evento que está marcado para o próximo
dia 23. No embalo, Esperidião passou a pressionar a cúpula de seu partido para que adiante para o dia 20 de julho a convenção progressista, inicialmente prevista para acontecer em agosto. Ele pretende discutir, já, as candidaturas majoritárias e proporcionais
da sigla.

Depois do próximo sábado, o que Amin quer é se colocar oficialmente como pré-candidato ao governo. Sabe que se a convenção oficial demorar muito, sua intenção poderá ser abafada, pois a grande maioria da cúpula do PP já está acertada com o PSD de Merisio. Na base do partido, no entanto, Amin desfruta de ampla popularidade, e se convencionais de todo o Estado forem chamados a opinar, muito provavelmente ele atinja seu objetivo de disputar o governo.


Notas

AR TV, de Araranguá, estreia hoje nova programação. Emissora, agora sob o comando do empresário Édio Rosa, pretende atuar em sintonia com os anseios da comunidade, pautada por um jornalismo atuante e versátil. De minha parte, diariamente estarei realizando um comentário político na emissora, que em nossa região pode ser sintonizada através do Canal 5.

Desembargador Eduardo Gallo Júnior, que já atuou em nossa região, foi aposentado de forma compulsória na última sexta-feira pelo Tribunal de Justiça. A aposentadoria se deu em meio a denúncias de uso indevido de suas prerrogativas. Interessante que mesmo com as acusações, e com a nítida aposentadoria por conta delas, Gallo Júnior vai para casa com o pomposo salário de desembargador aposentado do TJ. Imagine se este expediente valesse para todos.
Se todo trabalhador que fosse acusado de algo errado em sua empresa fosse aposentado e mandado para casa, a fim de usufruir dos proventos que passaria a receber, sem precisar trabalhar!

Durante incursão pelo Sul do Estado no final de semana, senador Paulo Bauer (PSDB) esteve em Araranguá, onde reafirmou o projeto tucano de disputar o Governo do Estado. Bauer da a entender que está enxergando mais longe. Por sua lógica, chegará um momento em que PP, PSD e MDB não terão um candidato a vice a altura, e acabarão abrindo mão da cabeça de chapa. É neste momento que entraria o PSDB.

Depois de promover recentemente a inauguração de uma ponte na comunidade de Beira Rio, na divisa de seu município com Praia Grande, prefeito de São João do Sul, Moacir Teixeira (PSD), assinará hoje, às 11h, ordem de serviço para a pavimentação da Rodovia SJS 150, que liga Vila Santa Catarina à Vila São José, no interior do município. O prefeito credencia as recentes conquistas de várias obras para São João do Sul, a união de praticamente todos os partidos para viabilizar a sustentação da gestão municipal. Em 2014 uma ampla aliança partidária conferiu a Moacir 73% dos votos na disputa pela prefeitura. Dos nove vereadores, oito foram eleitos pela situação.

Charge


14/06/2018 19:09

Rolando Christian Coelho, 15/06/2018

Calvário a ser enfrentado por Paulo Bauer pode ser a salvação da lavoura para Eduardo Moreira, que precisa do PSDB para viabilizar sua candidatura ao governo.


Na política, o azar de uns é a sorte de tantos outros / /

No embalo do inquérito promovido pelo Ministério Público Federal que investigará a suposta doação de recursos ilícitos ao senador Paulo Bauer (PSDB), o governador Eduardo Moreira (MDB) busca o estreitamento de relações com os tucanos. A lógica parece invertida, afinal de contas, ultimamente ninguém quer se aliar a políticos investigados em possíveis esquemas de corrupção. Para Moreira, no entanto, a investigação que recai sobre Bauer pode significar a salvação da lavoura.
De acordo com o ex-executivo da Hypermarcas, Nelson Mello, empresa que atualmente se chama Hypera Pharma, maior fabricante de medicamentos do país, Bauer recebeu R$ 11,5 milhões a título de caixa 2, entre 2013 e 2015. A delação de Mello está inserida nas investigações da Lava Jato.
Se a delação é péssima para Paulo Bauer, pois deverá ganhar ampla divulgação nos próximos meses, para Eduardo Moreira não poderia ser melhor. É que o senador acabou deixando de ser aquela galinha dos ovos de ouro que seu partido fazia questão de referenciar. É quase utopia, por exemplo, achar que alguma sigla de expressão no Estado apoiará uma candidatura a governador de Bauer com um rabo de foguete como este em pleno ano eleitoral, onde a grande imprensa não deixará passar nada em branco.
Em contra-partida, cresce o nome do ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes, dentro do ninho tucano, figura com quem Moreira tem mantido estreita relação. Neste contexto, acaba se encaminhando muito bem uma dobradinha entre Moreira e Bernardes para a disputa governamental deste ano, com Bauer, possivelmente, disputando novamente o Senado, e evitando com isto os reflexos mais diretos da Lava Jato.

Notas

Pré-candidata pelo DEM à Assembleia Legislativa, fisioterapeuta Lisiane Tuon participou nesta semana do Encontro Nacional do Democratas Mulher. A programação contemplou palestras sobre o momento político, empoderamento feminino e temas relacionados à organização de campanha com vistas à 2018. Presidente Nacional do DEM, ACM Neto, que é prefeito de Salvador, capital da Bahia, participou do evento.

Mesmo não tendo conseguido assumir a Câmara Federal no lugar de João Rodrigues (PSD), que conseguiu liminar no STF para retomar sua cadeira no parlamento nacional, Edinho Bez MB) diz que mantém firme seu propósito de disputar um novo mandato de deputado federal neste ano. “Minha intenção de concorrer novamente é anterior a prisão de João Rodrigues. Em 2014, faltaram pouco mais de dois mil votos para eu me reeleger. Em 2018 não faltará nenhum”, comenta confiante Edinho.

Vereador sombriense Nego Gomes (MDB) confirmou que não disputará mesmo a Assembleia Legislativa. Como o Secretário Executivo da ADR, Heriberto Afonso Schmidt (MDB), que também nutria este desejo, não se desincompatibilizou de sua função para a disputa, tudo leva a crer que o deputado estadual Manoel Mota (MDB) será novamente o único candidato do partido ao parlamento catarinense por nossa região.

Deputado estadual Milton Hobus (PSD) desceu a lenha na gestão do governador Eduardo Moreira (MDB) nesta semana. Disse que Moreira está governando apenas para seu partido, “assinando convênios apenas com o MDB”. De pires nas mãos, os prefeitos do MDB de nossa região estão esperando, ávidos, a concretização das palavras de Milton Hobus. A grande verdade é que até agora não ganharam nem um copo d’água a mais do que aquilo que já estava encaminhado à época de Raimundo Colombo (PSD).

Charge


13/06/2018 18:51

Rolando Christian Coelho, 14/06/2018

Ao mesmo tempo, PP de Criciúma planeja lançar a pré-candidatura de Esperidião Amim a governador do Estado no próximo dia 23.


Cauteloso, Zé Milton aposta em Amin como candidato ao Senado / /

Deputado estadual José Milton Scheffer (PP), que deve ser novamente o candidato à Assembleia Legislativa de seu partido mais votado no Estado, tem mantido a convicção de que os progressistas estarão aliados ao PSD de Gelson Merisio na disputa pelo governo catarinense neste ano, independendo da ordem dos fatores da coligação. Em princípio, Merisio é o candidato a governador, cabendo ao PP a condição de candidato a vice, além de uma das vagas ao Senado Federal. Vaga esta que seria preenchida por Esperidião Amin. “Acredito que as coisas devam se encaminhar neste sentido”, comenta o parlamentar.
O ‘problema’ da história é convencer Amin a abrir mão de uma candidatura ao governo, da qual ele tem reais chances de vitória, por conta da conjuntura nacional, altamente favorável neste ano aos políticos de centro-direita, principalmente àqueles que mantem um histórico alinhado ao conservadorismo.
Isoladamente, não há dúvidas, Esperidião Amin é o principal líder da política catarinense na atualidade. Desde 2002, no entanto, seu problema tem sido a composição de alianças. Com fama de centralizador, ele acaba afastando uma dezena de partidos, sempre ávidos para ocupar espaços nas mais diversas esferas do poder estadual.
No embalo de sua liderança, e para desespero do PSD, Amin deverá ser lançado pré-candidato ao governo em Criciúma, no dia 23. O movimento tem partido de aliados muito próximos de Amin naquele município, e não é orquestrado pela cúpula do PP Estadual, que, por enquanto, permanece aliada a Merisio. Em princípio, Amin disse não ver problemas neste movimento, que, de acordo com ele, fortalece seu partido para qualquer composição. Mas, em política, como se sabe, onde há fumaça há fogo.
O enredo deste samba pode ser resumido numa única frase de Zé Milton: “A bem da verdade, o que passa na cabeça do Esperidião, só ele sabe”.

Notas

Diante do movimento que parte do PP do Sul do Estado começa a fazer, objetivando lançar Esperidião Amin como candidato a governador, ex-governador Raimundo Colombo (PSD) não deixou por menos. Questionado sobre a viabilidade de uma aliança com o MDB, ainda que aos 45 do segundo tempo, Colombo foi enfático: “Tudo é possível”.

Vice-prefeito de Araranguá, Primo Júnior (PR), assumirá na próxima semana, em dia ainda não definido, comando do executivo municipal por 30 dias. No período, diz que pretende deixar encaminhados vários projetos, mas ressalta que prefere não divulgá-los antes da posse interina. Nitidamente, Primo Júnior nutre pretensões eleitorais futuras, relacionadas à prefeitura da Cidade das Avenidas, mas parece não querer atropelar os fatos. Permanece alinhado com o prefeito Mariano Mazzuco (PP), sem criar ressalvas ou demandas. Mantém com isto o perfil diplomático e conciliador, que tem dado certo em Araranguá. Interessante observar que o PR, seu partido, também está no comando da Prefeitura de Sombrio, por 15 dias, através da vice-prefeita Gislaine Dias da Cunha.

Prevista para acontecer ontem, abertura da licitação que definirá quem será o novo gestor do Hospital Regional de Araranguá acabou não acontecendo. Licitação já deveria ter acontecido, afinal de contas, o Instituto Ideas, que administra o Regional, tem contrato somente até próximo dia 18 para a prestação deste serviço. Não foi marcada nova data para a abertura.

Ex-governador Antônio Carlos Konder Reis faleceu esta semana. Em 1994, na condição de vice-governador de Vilson Kleinubing (PFL), ele assumiu o comando o Estado. Durante seu mandato acompanhei uma comitiva de prefeitos que tinha uma audiência com ele. O compromisso foi marcado para as 10h. Esperamos até meio dia e nada. Houve um reagendamento para as 14h, e depois para as 16h. Depois foi remarcado para as 19h, ocasião em que desistimos de ir e voltar ao Palácio Santa Catarina e ficamos na fila de espera. Por fim, ele nos atendeu a uma hora e dezoito minutos da madrugada. Educado, pediu desculpa pela inconveniente. “Às vezes demora um pouquinho, mas eu atendo todo mundo”, disse, depois de 16 horas de trabalho naquele dia.

Charge

Carregar mais

Mapa de Editorias