Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Coelho

Rolando Christian Sant' Helena Coelho é bacharel em Comunicação Social, com especialização em Jornalismo. Também é bacharel em Psicologia e bacharel em Ciências Políticas. Tem MBA em Jornalismo Digital e em Administração e Marketing. Em 1990 fundou o Jornal Correio do Sul, assim como foi um dos fundadores da Rádio 93 FM em 2010. Atua também como produtor cultural e escritor.

15 de outubro de 2018 00:33

Rolando Christian Coelho, 15/10/2018

Candidato do PSL passou a ser alternativa mais viável para que o MDB se mantenha, pelo menos em parte, no poder catarinense.


MDB da região começa a fechar com Comandante / /

Inicialmente tímido, por conta da vexatória derrota de Mauro Mariani (MDB) no primeiro turno da eleição estadual catarinense, o MDB começou a direcionar seus esforços para o Coronel Carlos Moisés da Silva, o Comandante Moisés (PSL), no que diz respeito ao segundo turno da eleição governamental. Ainda que o partido tenha, oficialmente, liberado seus filiados para votar no candidato que achar mais conveniente nesta segunda etapa da eleição, nitidamente as principais lideranças emedebistas estão se esforçando pela candidatura do Comandante.
Provavelmente por uma questão estratégica, o próprio MDB decidiu não se posicionar de forma oficial em relação ao candidato do PSL, de modo a desvinculá-lo do atual Governo do Estado, que está para lá de desgastado. Prova maior disto foi o fato do candidato ao governo do partido ter ficado na poeira da disputa deste ano.
A bem da verdade, a ligação de Comandante Moisés com o MDB é mais próxima do que se imagina. Ele foi coordenador regional Sul da Defesa Civil e assessor da Secretaria de Justiça e Cidadania, na gestão da deputada estadual Ada de Luca (MDB). Não à toa o governador Eduardo Moreira (MDB) declarou voto pessoal ao candidato do PSL tão logo foi confirmado que Mauro Mariani estava fora da disputa, ainda na noite do último dia 7.
Aqui em nossa região, tanto por influência de Moreira, como por oposição a Gelson Merisio (PSD), que é apoiado pelo Progressistas, o MDB está com o coro para lá de ensaiado a favor de Moisés. A expectativa é a de que um governo do PSL possa ser, na verdade, um governo do MDB pela tangente.

Notas

Instigado a falar sobre uma possível disputa à Prefeitura de Balneário Arroio do Silva, em 2020, ex-prefeito Evandro Scaini (PSD) disse que esta possibilidade “é muito remota”, e que não está em seus planos. Candidato a deputado estadual, Scaini fez sozinho quase 45% dos votos válidos no município. Em relação a uma disputa por Araranguá, o ex-prefeito foi mais ameno, ressaltando que “é um quadro difícil de se administrar”, por óbvio, pela quantidade de interessados no processo. Não escondeu, no entanto, um certo interesse, enfatizando que “ainda é cedo para tratar de assuntos como este”.

Candidatos que mais fizeram votos em sua terra, em nossa região, foram os seguintes: Evandro Scaini (PSD), que concorreu a deputado estadual, fez 44,29% em Balneário Arroio do Silva. Deputado estadual José Milton Scheffer (PP), que disputou a reeleição, fez 41,02% em Sombrio. Ulisses Gabriel (PSD), que disputou a Assembleia Legislativa, fez 35,35% dos votos em Turvo. Ex-deputado federal Leodegar Tiscoski (PP), que tentou novamente a Câmara dos Deputados, fez 21,56% dos votos em Sombrio. Por fim, o ex-vice-prefeito de Araranguá, Rodrigo Turatti (PSL), candidato a estadual, fez 16,42% dos novos no município.

A surpreendente votação da deputada federal Geovânia de Sá (PSDB), em seu projeto de reeleição, não é surpresa. A parlamentar atingiu os 101.937 votos, praticamente o dobro do que havia feito em 2014. O segredo, por certo, foi não ter abandonado as bases de seu partido e ainda ter pluralizado sua atuação, fazendo parceira com prefeitos e vereadores das mais diversas siglas. Fez justamente o contrário do que fizeram alguns caciques do próprio PSDB, e de outras siglas, que acabaram não se elegendo. Quem achou que o negócio era só vir no ano da eleição prestar contas às bases, se deu mal.

Santa Catarina elegeu nove mulheres no pleito eleitoral deste ano. Foram eleitas à federal Ângela Amin (PP), Carmen Zanotto (PPS), Caroline de Toni (PSL) e Geovânia de Sá (PSDB). A deputada estadual foram eleitas Ada de Luca (MDB), Ana Campagnolo (PSL), Ana Paula da Silva (PDT), Luciane Carminatti (PT) e Marlene Fengler (PSD). Caso Comandante Moisés (PSL) seja eleito governador do Estado, a vice governadoria caberá a advogada Daniela Reinehr, que é natural do município de Maravilha, terra do ex-vice e ex-governador Casildo Maldaner (MDB), que era vice de Pedro Ivo Campos (MDB).

Charge

Mapa de Editorias