Agricultura     28 de novembro de 2018 09:33
Autor: Marivânia Farias
São João do Sul

Mulheres discutem liderança e ação

Clubes de Mães dão espaço para os Grupos de Mulheres


 

Alegres, comunicativas e muitas descobrindo só agora o poder que têm, as mulheres de São João do Sul estão em uma jornada que as leva a ficar efetivamente mais ao lado dos homens, como parceiras no desenvolvimento pessoal e comunitário.

Durante este ano, elas se envolveram em atividades que culminaram no Encontro Municipal de Mulheres realizado na última sexta-feira, dia 23, na localidade de Passo Magnus. Uma das organizadoras foi a extensionista da Epagri, Dóris de Oliveira, defensora da maior participação feminina nas questões rurais.  “Este ano fizemos bastante trabalho com capacitação de lideranças femininas. E neste encontro, o que se pretende é que as mulheres troquem conhecimentos, debatam e que seja também um momento de confraternização”.

Para Dóris, juntas, as participantes se sentem fortalecidas, pois nas comunidades do interior, muitas desconhecem a capacidade que possuem de ter maior participação. “Este poder fica adormecido dentro dela, e quando você dá oportunidade para esta descoberta, de falar em público, por exemplo, se contribui para o surgimento de lideranças que auxiliam no desenvolvimento comunitário”, afirmou.

No dia a dia da propriedade rural, a mulher trabalha tanto, quanto o homem, se não mais, no entanto, são eles que participam das reuniões para discutir questões técnicas do cultivo. Às vezes, a própria Epagri peca ao enviar o convite diretamente aos homens, reconhece a extensionista. “Hoje a Epagri tem se empenhado em trazer o casal para a discussão”, completou.

A presidente da Associação de Clubes de Mães, Mariza Cechinel Sala, auxiliou a organização do evento da última sexta-feira e considera esta etapa como de transição para as mulheres. “Desde que assumimos, do meio de 2017 até agora, estamos conversando com as mulheres sobre mudanças, e elas aceitam bem”. Durante este período, foram organizadas palestras e outras formas de buscar informação.

O Encontro Municipal de Mulheres se estendeu durante todo o dia e teve o apoio da Ceprag.

 

Fim dos clubes de mães

Durante o encontro de mulheres, foi feita também a assembleia ordinária anual dos clubes de mães de São João do Sul, representados pela Associação de Clubes de Mães. A diretoria da associação fez uma prestação de contas e apresentou relatório das atividades organizadas em 2018.

O mais importante, porém, foi a mudança da denominação dos clubes de mães para grupo de mulheres e, consequentemente, a Associação dos Grupos de Mulheres.

Mas afinal, qual a diferença entre um e outro? A extensionista da Epagri, Dóris de Oliveira, explica que o clube de mães é mais passivo, apenas recebe o que o governo lhe oferece; já o grupo tem o sentido de desenvolver a mulher para que ela tenha um papel mais atuante na sociedade.

Mariza Cechinel Sala concorda com esta nova visão e avalia que os clubes de mães são mais restritos, e o grupo pode atrair mais mulheres. Claro que, por fim a uma organização tão tradicional, não é algo que se faça de um dia para o outro. “Estamos fazendo todo um processo com os clubes de mães e a mudança está sendo bem aceita”, garantiu.

Segundo Mariza, o município possui 13 clubes de mães e 11 deles são ligados a associação e devem adotar a nova modalidade de organização. A presidente da associação destaca que a maior organização e participação feminina em São João do Sul deve-se em grande parte a dedicação de Dóris a causa.

Mapa de Editorias